Russos alertam: petróleo vai bater US$ 300/barril e Europa vai congelar
Felipe Moreno
Russos alertam: petróleo vai bater US$ 300/barril e Europa vai congelar

Após a imposição de pesadas sanções contra a Rússia – mesmo que algumas sejam só para “inglês ver” -, o país resolveu contra-atacar o ocidente. Em um discurso, Alexander Novak, vice-primeiro-ministro russo, declarou que a Rússia tem armas fortíssimas contra os países que estão lhe impondo sanções, principalmente a Europa e os Estados Unidos.

A principal: a importância da Rússia no mercado global de commodities, principalmente o petróleo e gás natural. Terceiro maior produtor de petróleo do mundo – com uma produção praticamente igual à Arábia Saudita -, a Rússia tem 11% do mercado e pode, em teoria, criar um buraco imenso no mercado global de energia. Além da forte produção do ouro negro, o país é responsável por 40% de todo o gás natural consumido na Europa.

Leia Também

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Novak disse que o país pode usar como arma o Nord Stream I, o gasoduto que leva gás natural à Alemanha e o resto da Europa. Fechar o gasoduto faria o preço da energia disparar na Europa ocidental e, muito provavelmente, provocaria um forte racionamento, fazendo a economia europeia entrar em colapso e congelando o continente no inverno.

A demanda por petróleo, para substituir o gás, dispararia e a menor oferta faria o preço disparar – analistas de grandes bancos já colocam os preços futuros na faixa de US$ 185 e US$ 200 sem isso . Novak acredita que o fechamento do Nord Stream I faria o preço do barril de petróleo do tipo Brent explodir para US$ 300, o maior preço em toda a história.

Isso jogaria o preço da gasolina mundial para o teto – os preços já estão batendo recordes nos Estados Unidos, com o galão batendo mais de US$ 4 pela primeira vez na história. Por aqui, o preço já está pressionado e já há expectativas de buscar os R$ 10 mesmo sem isso – embora Bolsonaro e Lula afirmem que vão mudar a política de preços da Petrobras .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários