No contrato, ficou combinado que o veículo seria entregue 10 dias após o pagamento do carro; o estabelecimento não cumpriu o acordo e uma nova data foi marcada para a entrega, que, novamente, foi descumprida; veja

Brasil Econômico

A 8ª vara Cível do Foro Regional de Santana estabeleceu a indenização de R$ 10 mil
shutterstock
A 8ª vara Cível do Foro Regional de Santana estabeleceu a indenização de R$ 10 mil

Ter um carro zero quilômetro é um sonho para muitos brasileiros: lataria impecável, ‘cheirinho de novo’ e a certeza de que vai demorar para que apresente algum problema são alguns dos atrativos para fechar a compra... Mas a experiência não foi tão positiva para uma consumidora da cidade de São Paulo, que receberá R$ 10 mil de indenização por causa do atraso de três meses na entrega do veículo comprado. 

Leia também: Casa do Pão de Queijo demite funcionária por ter tomado 500 ml de água

Tudo começou no dia 18 de abril do ano passado, quando a consumidora fez a compra e assinou contrato com a loja. No documento, ficou combinado que o veículo seria entregue 10 dias após o pagamento, mas o estabelecimento não cumpriu o acordo e uma nova data foi marcada para a entrega, que, mais uma vez, foi descumprida. Insatisfeita com a postura da empresa, a consumidora recorreu à Justiça e pediu indenização

E mesmo com a ação, a entrega foi feita somente em julho, após decisão liminar, que acontece quando uma sentença permanente ainda não foi definida. A 8ª vara Cível do Foro Regional de Santana estabeleceu a condenação de R$ 10 mil.

Leia também: "Clientes" são presos após aplicarem golpe na Amazon e roubarem US$ 1,2 milhão

Recurso contra a indenização

Ao julgar o recurso, a desembargadora Cristina Zucchi, da 34ª Câmara de Direito Privado do TJ/SP, entendeu que tanto a fabricante de automóveis quanto a concessionária devem ser responsabilizadas pelo atraso, uma vez que há uma notória parceria entre as companhias, que atuavam em conjunto, uma vendendo e a outra fabricando. “Complementando, assim, o seguimento empresarial de compra e venda de veículos ”, destacou.

Já em relação à indenização por danos morais, Zucchi disse que a ausência de entrega do bem comprado, aliado à cobrança do veículo, mesmo assim, por longo período, é o suficiente para justificar o ressarcimento moral.

Leia também: Empresa de entregas recebe multa de R$ 1 milhão por não registrar motoboys

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.