O trio se aproveitava da política de trocas da loja online dos EUA; segundo balanço, o grupo comprou mais de 2,7 mil produtos; entenda o esquema

Brasil Econômico

Além do tempo na cadeia pela fraude contra a Amazon, o casal terá que reembolsar a companhia
shutterstock
Além do tempo na cadeia pela fraude contra a Amazon, o casal terá que reembolsar a companhia

É bem provável que você já tenha ouvido alguma vez na vida que “os bonzinhos sempre se ferram no final”. Esse dito popular remete a alguém que sempre se aproveita da boa vontade de um terceiro e, supostamente, se dá bem com isso. Não é exatamente isso o que aconteceu recentemente, nos Estados Unidos, mas podemos dizer que três criminosos conseguiram 'se dar bem' com a política de devolução da Amazon (que é voltada para o bem dos clientes). 

Leia também: Casal receberá R$ 23 mil de indenização após sofrer assalto em supermercado

Segundo uma matéria do portal internacional The Verge , as três pessoas aproveitaram a política de devolução da Amazon dos Estados Unidos para roubar US$ 1,2 milhão da empresa com a venda ilegal de mercadorias da loja. O valor equivale a R$ 4,6 milhões.

Mas como?

Erin e Leah Finan, um casal de Indiana, encomendava eletrônicos da loja, por meio de perfis falsos e, em seguida, comunicavam que os produtos entregues estavam apresentando problemas técnicos. Para reparar o dano, a Amazon encaminhava uma nova mercadoria para os criminosos, como normalmente faz com clientes comuns.

Assim, com os consoles, tablets e computadores “extras” em mãos, o casal enviava as mercadorias para Danijel Glumac, que revendia os eletrônicos na cidade de Nova Iorque. Assim, o trio ficava com o lucro do investimento ilegal. É estimado que o casal comprou mais de 2.700 aparelhos da empresa.

Leia também: Funcionários da Amazon urinam em garrafas para bater metas, revela jornalista

Não banque o ‘espertinho’

A ideia de se aproveitar da política de devolução da loja pode ser tentadora para os mal intensionados, mas a juíza da Corte Distrital dos EUA, Tanya Pratt, deu um recado para essas pessoas ao anunciar as sentenças de 71 e 68 meses, respectivamente para Erin e Leah e de 24 meses para Danijel.

“A fraude do consumidor não só enriquece injustamente o criminoso, como também faz com que todos nós [consumidores] paguemos preços mais altos no varejo. Para quem está pensando em lucrar com fraudes nas e-commerces, lembre-se deste caso. Você será pego. Você será processado. E você ficará na prisão federal por um longo tempo”, disse.

Vale destacar que além do tempo de prisão, o casal terá que pagar a Amazon US$ 1.218.504 pela mercadoria roubada.

Leia também: Cliente receberá indenização de R$ 5 mil de operadora por mensagens eróticas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.