De acordo com Kassab, o ministério enfrenta um contingenciamento de R$ 2,2 bilhões este ano e de R$ 1,2 bilhão no próximo ano com teto de gastos

Brasil Econômico

Kassab afirmou que haverá muitas dificuldades para a continuidade de pesquisas caso recursos não sejam ajustados
Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil
Kassab afirmou que haverá muitas dificuldades para a continuidade de pesquisas caso recursos não sejam ajustados

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou nesta quarta-feira (13) que, nos próximos 20 anos, com a Lei do Teto de Gastos , o Brasil deve enfrentar dificuldades para garantir o orçamento de políticas do setor. Segundo ele, o ministério enfrenta um contingenciamento de R$ 2,2 bilhões este ano e de R$ 1,2 bilhão no próximo ano. 

Leia também: BNDES defende indicação de administrador interino para JBS após prisões

“Durante 20 anos vamos conviver com a Lei do Teto. Então, ou o governo vende patrimônio, faz privatizações, faz programas que agreguem mais recursos, ou vamos ter muita dificuldade. No ano passado, o governo conseguiu atender o nosso ministério. Conseguiu atender a ciência do Brasil, os programas de inovação, os programas vinculados à ciência e tecnologia e fechamos bem o ano”, alertou Kassab  durante participação no Congresso Brasil Competitivo 2017, que tem como tema Economia Digital.

Ainda de acordo com o ministro caso os recursos não sejam ajustados, haverá “muita dificuldade” para a continuidade de pesquisas e projetos de inovação. “São trabalhos carregados de seriedade em todos os cantos do Brasil, dentro das universidades, fora, parcerias importantes, milhares de bolsas de estudo do CNPq [Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico]. São projetos e programas muito importantes e que merecem de parte do governo todo apoio e que a equipe econômica, por enquanto, tem sido sempre solidária”, explicou.

Leia também: Abono salarial para nascidos em setembro começa a ser pago nesta quinta-feira

Grupo Oi

No que diz respeito à situação do Grupo Oi, concessionária de serviços de telecomunicações, que entrou em recuperação judicial em junho do ano passado, o minsitro afirmou que o governo está pronto para fazer uma intervenção, caso seja necessário.

“Essa questão tem sido muito bem conduzida pela Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações], pelo ministério e pelo Poder Judiciário, conduzida com muita prudência”, disse.

Leia também: Aprendizado e apoio financeiro potencializam empreendedorismo nas periferias

Kassab lembrou ainda que se trata de um serviço importante, prestado a milhares de brasileiros e, que, em muitos casos, é a única concessionária a prestar o serviço. “Todos sabem que o governo está preparado para fazer uma intervenção, até porque ele precisa estar preparado. Mas não é a nossa vontade. Nós esperamos que haja uma boa solução de mercado, onde a Oi possa captar os recursos necessários para fazer o que os seus contratos exigem, que ela é obrigada por lei, e para quitar os seus compromissos, suas dívidas”, finalizou.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.