Tamanho do texto

Segundo Mansueto Almeida, a reforma da Previdência ajuda, mas não é suficiente para organizar contas públicas. Concursos e reajuste estão na mira

mão escrevendo arrow-options
shutterstock
Concurso Público

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou em entrevista ao GLOBO que é preciso haver uma revisão dos gastos obrigatórios, citando principalmente despesas com os servidores públicos, para tentar reequilibrar o Orçamento da União. 

O crescimento das despesas obrigatórias, como salários e aposentadorias, deixa cada vez menos espaço para o governo fazer investimentos e põe em risco serviços à população.

Leia também: Cidadania e Educação são ministérios mais afetados por novos cortes

Segundo ele,  neste ano, a despesa com a folha de pagamentos do governo federal está crescendo R$ 26 bilhões. A aprovação da reforma da Previdência ajuda, mas não será suficiente para organizar as contas públicas, disse Mansueto.

“Para mudar isso, não pode ter reajuste para servidor e tem de ter menos concurso público”, afirmou, acrescentando que só a reforma da Previdência não será suficiente para diminuir as despesas obrigatórias.

Na sexta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o  que o "Brasil todo está sem dinheiro" e que não "há maldade" no corte de gastos, ao justificar a suspensão de bolsas para 4.500 estudantes de graduação e pós-graduação.