Tamanho do texto

Em evento organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a líder do governo no Congresso disse que "cada um de vocês [representantes da indústria] é um influenciador" e deve usar seu poder para buscar a aprovação

Jair Bolsonaro e Joice Hasselmann
Reprodução/Twitter
Joice Hasselmann cobrou pressão da soecidade sobre parlamentares pela aprovação da reforma da Previdência

A deputada e líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), cobrou pressão da sociedade sobre parlamentares pela aprovação da reforma da Previdência que tramita na Câmara. A declaração foi feita na manhã desta segunda-feira (10), na abertura do 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Leia também: CUT lança plataforma para pressionar parlamentar a votar contra nova Previdência

"Para ter investimentos, é preciso que haja estabilidade, precisamos que o país fique arrumadinho economicamente, que consertemos a mangueira furada da nossa economia, furada pela Previdência", defendeu Joice , fazendo apelo a representantes da indústria para que usem sua influência para convencer parlamentares a votar a favor da reforma.

"Não adianta colocar mais água na mangueira e mais pressão para dentro da mangueira furada. A água vai continuar saindo. Para consertar a mangueira, temos de aprovar a Previdência , e cada um de vocês tem muito poder de influência, cada um de você é um influenciador", avaliou a deputada.

Segundo a líder do governo no Congresso , a principal proposta apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) só será aprovada com um "movimento de fora para dentro", com pressão sobre os deputados pelo voto favorável.

Leia também: "É preciso aguardar o andar da carruagem", diz Joice sobre mensagens de Moro

Joice defendeu a importância de reiterar a necessidade da reforma para a economia brasileira e fazer com que os deputados "em cima do muro" decidam por voto favorável à proposta. Segundo ela, 60% dos brasileiros já apoiam a reforma da Previdência e que seu trabalho busca que, no início do próximo mês, esse apoio esteja em torno de 75%. "Podemos ter uma grande multidão nesse país que seja pró-Previdência", afirmou.