Tamanho do texto

Na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara, o ministro da Economia discute reforma da Previdência, emprego e investimentos. Veja

Paulo Guedes na Câmara
Divulgação/Ministério da Economia
Paulo Guedes participa de discussão sobre a reforma da Previdência em comissão da Câmara

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de audiência na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4) para discutir a reforma da Previdência e a economia brasileira.

Leia também: Entenda o que muda nas regras do INSS após a aprovação da MP do pente-fino

O relator da proposta, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), trabalha para apresentar o relatório até esta quinta-feira na comissão especial da Câmara que analisa a matéria. Moreira está tentando antecipar o parecer a pedido do presidente da Casa, Rodrigo Maia, que tem como objetivo votar a proposta da comissão ainda em junho deste ano.

Além da nova Previdência , Guedes também foi questionado sobre o desemprego e a falta de investimentos no País. Segundo ele, “A palavra de ordem agora é emprego. Geração de emprego e renda. O Brasil parou no tempo. Acho que em quatro anos vamos sair de 109º lugar (em produtividade) para o 50º", afirmou.

Paulo Guedes volta a defender fim de deduções no Imposto de Renda

O ministro da Economia voltou a defender  o fim das deduções no Imposto de Rendada Pessoa Física ( IRPF ), como o que ocorre em gastos de saúde e educação. Ele propôs o que chama de “redução de privilégios”, como deduções e isenções para instituições. 

"Se vamos reduzir impostos, não precisa manter deduções", disse o ministro.

Guedes afirmou que o assunto será discutido na reforma tributária. Ele reafirmou a necessidade de juntar impostos federais em um tributo nos moldes do Imposto Sobre Valor Agregado (IVA), mas sem incluir os estados e municípios — diferente da proposta que tramita na Câmara dos Deputados.

"Gostaríamos que estados e municípios tivessem liberdade de decidir. Vamos trazer uma proposta de redução, simplificação de impostos, e vamos olhar para essa dimensão social", completou.

O ministro também disse que a reforma tributária irá acabar com impostos indiretos, como os cobrados sobre o consumo, considerados por ele como regressivos.

Só neste ano o governo deixará de arrecadar R$ 20 bilhões em imposto por causa das deduções. O plano de rever esses gastos deve fazer parte dos esforços da equipe econômica para reduzir as renúncias fiscais, que chegam a mais de R$ 300 bilhões, ou 4% do PIB.