Tamanho do texto

Alimentação foi o segundo grupo de preços com a maior alta durante 2015, de 12,03%, atrás apenas de habitação (18,31%)

Café foi o alimento consumido fora de casa cujo preço mais subiu em 2015
Thinkstock
Café foi o alimento consumido fora de casa cujo preço mais subiu em 2015

Os principais temperos para refogados, saladas e molhos foram os grandes vilões do orçamento doméstico do brasileiro em 2015. A trinca cebola, alho e tomate registram as maiores altas de preços, segundo dados da inflação oficial (IPCA), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (8). 

A variação do preço da cebola saltou de 23,61% para 60,61%, seguida pelo alho (de 10,68% para 53,66%) e o tomate, que passou de queda no preço no ano de 2014 (-3,07%) para 47,45% em 2015. O preço do pão variou de 6,11% para 12,05% em 2015. Já o chocolate em barra ou bombom também teve uma grande varaição de um ano para o outro, ao subir de 8,38% para 12,27%.

Já os alimentos fora de casa que tiveram os preços mais pressionados foram o cafezinho (subiu 11,96%, em 2014, e terminou 2015 com alta 15,67%), café da manhã (de 10,22% para 14,12%) e a cerveja (de 9,99% para 13,21%). Em sentido contrário, o preço da refeição fora de casa teve desaceleração em 2015, ao variar de 9,96%, em 2014, para 9,71% no ano passado.

O grupo alimentação e bebidas, o de maior peso no IPCA (25,10%), a alta foi de 12,03%. Considerando os alimentos adquiridos para consumo em casa, observa-se que a alta foi generalizada. Vários produtos ficaram bem mais caros de 2014 para 2015, destacando-ainda a batata-inglesa (34,18%) e o feijão-carioca (30,38%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.