Tamanho do texto

Economistas mostram que é possível viajar barato com a família toda reunida no mês das férias; veja como se planejar

As férias já chegaram e muita gente está se perguntando como vai passar o mês de folga com os filhos em meio a um momento de fortes incertezas e de grave crise econômica, que culminaram com o recorde no número de desempregados no país. A valorização do dólar, que só nas últimas semanas deu uma trégua aos brasileiros, também atrapalhou os planos de muita gente que desejava viajar barato. Mas mesmo quem está disposto a fazer uma viagem internacional, sabe a melhor forma de comprar passagens, fazer reservas e administrar o dinheiro?

LEIA MAIS: Você checa seu e-mail nas férias? Veja 4 dicas para evitar trabalho fora de hora

Se você ainda não preparou as malas, ainda há tempo de se planejar para viajar barato e passar férias agradáveis ao lado de quem você ama, gastando pouco. Confira as dicas dos economistas consultados pelo Brasil Econômico .

1. Mude o destino

Quer fazer uma viagem internacional para conhecer um novo país, mesmo com a crise? Sem problemas. É possível sair do Brasil gastando pouco, basta escolher destinos mais baratos. Se não dá para conhecer Nova Iorque ou ir para a Europa, opte por visitar países da América Latina. Essa é a dica do economista e professor da Economia das Faculdades Integradas Rio Branco Carlos Stempniewski.

Além de gastar menos, essa pode ser a oportunidade de conhecer a ríquissíma cultura de nossos países vizinhos. Há opções para todos os gostos: montanhas, desertos, picos nevados, rios, cachoeiras e muito mais. O Caribe pode ser um destino interessante também, especialmente se você comprar passagens com companhias aéreas que operam especialmente nessa região. Conhecer a Europa e a América do Norte é sensacional, mas a América Latina também pode reservar grandes experiências. 

Viajar barato nas férias escolares é possível com planejamento e dicas simples
iStock
Viajar barato nas férias escolares é possível com planejamento e dicas simples


2. Fique atento: hotéis, agências de turismo e companhias aéreas estão oferecendo pacotes interessantes!

As agências de turismo fecharam milhares de pacotes e agora estão precisando encher ônibus, navios, aviões e hotéis. O problema é que todos esses problemas econômicos que temos acompanhado, associado à incerteza repeliu muitos passageiros. Na tentativa de contornar ou ao menos, amenizar os prejuízos, as grandes operadoras e agências de turismo têm oferecido promoções bastante interessantes! A dica do professor Stempniewski para curtir férias baratas é fechar os pacotes o mais próximo possível da data da viagem. Fechar pacotes com antecedência, como era feito antes da crise, já não é mais o melhor negócio. Hoje, as melhores ofertas são fechadas 'em cima da hora'.

LEIA MAIS: Cálculo de férias: saiba quais são as regras da CLT para garantir o descanso

O mesmo se aplica às passagens que forem compradas diretamente com as companhias aéreas. "Os aviões estão viajando com 50% da capacidade, então está sobrando lugar. Como está faltando cliente, as companhias estão oferenco preços mais baratos", explica o professor das Faculdades Integradas Rio Branco. Então, vale a pena comprar a passagem poucos dias antes da viagem, a não ser que você ache uma promoção imperdível - afinal de contas, aquela velha dica de ficar monitorando os preços das passagens aéreas na internet continua valendo. E como dissemos, dê preferência para empresas aéreas especializas em destinos específicos, elas geralmente oferecem os melhores preços.

Fazer reservas em hotéis com muita antecedência também não é o melhor a se fazer. "À medida que hotéis, pousadas e resorts estão percebendo que as reservas não estão expressivas, a tendência é baixar o preço", indica Stempniewski.

Outra sugestão é diminuir a estadia nesses lugares. Ao invés de fazer uma reserva de 10 dias, escolha fazer uma reserva de 5 dias. Além de sair mais barato, o pagamento pode ser feito em condições mais favoráveis. Você não vai fazer uma viagem longa, mas também não vai deixar de aproveitar as férias com a sua família.

3. Deixe o cartão de crédito em casa

Onde você vai colocar o dinheiro antes de sair de casa? Comprar moeda em espécie continua sendo a melhor opção, seguida pela adoção do cartão de débito.

Mesmo com o aumento do IOF de 0,38% para 1,1% nas compras de moeda em espécie, anunciado no início de maio, o turista paga quase seis vezes mais se optar pelas outras alternativas. Nas compras com cartão pré-pago com moeda estrangeira e cartão de crédito, a alíquota do IOF é de 6,38%. Ainda assim, cartão de crédito é o maior vilão, porque além de ter a cobrança do IOF, sofre com a variação do câmbio. O valor cobrado não é o do câmbio no momento da compra, mas no dia em que a fatura é fechada, então existe sempre o risco de o turista voltar de viagem e se deparar com uma dívida maior do que o esperado.

Levar dinheiro em espécie para a viagem também impedirá que você gaste mais do que o previsto e fique endividado! Então, a dica mais importante é: deixe o cartão de crédito em casa.

Segunda dica: comprar moedas entrangeiras em parcelas é ainda mais vantajoso. Quando você compra a moeda aos pocuos, fica menos suscetível a alta do câmbio.

Terceira dica: sempre que puder, evite fazer duas operações de câmbio, porque sai mais caro. Prefira comprar a moeda do país de destino.

4. Seguro viagem: não viaje sem ele

Seguro-viagem é uma coisa sem a qual você não deve sair de casa quando for viajar. Se você for fazer uma viagem pelo Brasil, faça um seguro com cobertura nacional, e se for para o exterior, opte pelo serviço com cobertura internacional. Uma simples consulta médica fora do Brasil pode custar uma fortuna, imagina uma internação ou um procedimento cirúrgico. É um serviço relativamente barato, sem o qual você pagar - literalmente - muito caro.

5. Faça um orçamento dentro da sua capacidade financeira

Não adianta escolher passar as férias em um lugar super badalado se você não tem condições de arcar com os custos disso. De acordo com estimativas feitas por Stempniewsk, um casal gasta hoje de R$ 6 mil a R$ 20 mil em um hotel em uma região serrana de São Paulo durante uma semana.

"Um casal que for fazer uma viagem de férias entre uma semana e 10 dias deve separar entre R$ 6 mil e R$ 10 mil (entre US$ 3 mil e US$ 4 mil) para usar com presentes, passeios, alimentação e hospedagem no Brasil", diz ele. Agora, se além do casal, houver despesa com uma criança, esse valor pode dobrar", estima Stempniewski. Mas se você tiver à disposição US$ 6 mil,  já pode começar a pensar em visitar um destino fora do país.

Em todo caso, é indispensável fazer um planejamento.

"Faça um orçamento familiar, verifique as despesas essenciais e estabeleça uma meta de gastos. Se for possível, faça uma poupança e nunca, nunca viaje com dívidas pendentes", aconselha o professor de finanças da PUC-SP José Nicolau Pompeu.

A poupança tem um papel importante nisso tudo porque com dinheiro no banco, é possível pagar as despesas da viagem à vista. "Vivemos dias de incerteza, então para correr o mínimo de risco possível, ignore o parcelamento ou financie o menor valor possível", sugere Pompeu.

6. Disfrute das vantagens da modernidade

Hoje é possível alugar desde automóveis a malas de viagem. São serviços relativamente baratos e que podem tornar sua viagem mais tranquila. Se você aluga um carro, não terá motivos para se preocupar se ele quebrar, for futado ou batido. Todos os serviços são cobertos pelo seguro.

Se você vive em um apartamento de 40 metros quadrados, não precisa quebrar a cabeça pensando em onde vai guardar suas malas de viagem. Há empresas que oferecem o serviço completo: além de proporcionar a locação das malas, entrega e busca o produto na casa do locatário.

Há muitos consumidores que adquirem produtos e serviços apenas pela internet, independente do lugar onde estejam. Alguns deles têm hábito de realizar compras online e pedir que o bem adquirido seja entregue no hotel em que está hospedado. Assim, eles podem bater perna à vontade sem se preocupar em ficar carregando dezenas de sacolas. O mais experientes chegam a encomendar os produtos que desejam antes mesmo de viajar. Quando chegam ao hotel, a mercadoria ja está no quarto esperando por eles.

7. Curta a sua própria cidade

Se a grana está curta, você pode se programar para participar das atividades culturais do seu bairro e da sua cidade Os shopping centers costumam preparar uma programação especial para o mês das férias e os teatros costumam oferecer peças pela metade do preço na compra de dois ou mais ingressos. Afinal de contas, ninguém precisa sair da cidade ou do país para se divertir.