Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
iStock
Ao decidir fazer cartão de crédito, prefira aqueles que não cobram a taxa de manutenção

 A gente sabe que há pessoas mais controladas e outras menos. Também sabemos que existem aqueles que conseguem acompanhar seus gastos e outros, não. Agora, o que ninguém pode deixar de saber é que a taxa média de juros no cartão de crédito passa de 435% ao ano – sendo a mais alta em todo mundo – e que isso pode ser um buraco negro para as finanças de qualquer pessoa que entra no ciclo da inadimplência.

Aliás, com todo o cenário ruim da economia brasileira (a inflação pressionada, a inadimplência que aumenta, desemprego atingindo milhões de pessoas etc), a tendência é que as instituições financeiras aumentem ainda mais as taxas de juros do cartão de crédito a fim de reparar as prováveis perdas pelo endividamento crescente. Desse modo, fazer cartão de crédito – ou mesmo ter um ou mais de um – pode se tornar uma grande armadilha. Mas, como é difícil hoje não ter essa opção em mãos, trazemos dicas para que você não se perca nas contas.

A primeira coisa a fazer é não mentir para si mesmo. Afinal, você sabe se é disciplinado, se recebe o salário em uma ou duas parcelas, se é preciso ter mais de um cartão de crédito (um só não atende sua demanda?). Além disso, é essencial que você avalie seu modo de acompanhar as contas: é preguiçoso ou consciente? Caso as respostas sejam de uma pessoa que não terá muito controle sob as contas... Bem, o melhor é deixar o cartão de crédito em casa e somente utilizá-lo quando realmente for preciso, como nos casos de compras grandes (aquela geladeira dos sonhos, por exemplo).

Depois de analisar seu perfil, você precisa criar o hábito de acompanhar o extrato do cartão – ou dos cartões – sempre de olho no limite. Não aceite um limite maior que 30% da sua renda, é cilada! Além disso, esteja sempre em dia com o pagamento da fatura, evitando aquele chamado “valor mínimo”. Se você realmente não pode pagar as contas no dia, a melhor escolha é parcelar a fatura, sempre observando se não existem juros abusivos. Esta é uma maneira mais indicada de pagar uma fatura atrasada, já que evita o chamado crédito rotativo (que acontece quando o valor mínimo é pago) que possui altas taxas de juros.

LEIA MAIS: Vai cancelar um ou vários cartões de crédito?

Quando for fazer compras pequenas e cotidianas, dê preferência ao cartão de débito ou dinheiro. Não se torne dependente do cartão de crédito – um erro muito comum entre a maioria dos usuários brasileiros. Lembre-se de que é sempre mais fácil acompanhar o gasto diário ou semanal observando as “moedinhas” que saem do bolso!

Não se engane sobre as facilidades do parcelamento: essa é uma das principais causas do endividamento no País. É preciso que você tenha em mente que seu orçamento mensal será comprometido por aquela “parcelinha pequena” daquela compra.

LEIA MAIS: Smartphone deve substituir dinheiro e cartão de crédito até 2030, diz pesquisa

Por fim, uma dica é buscar fugir da anuidade. Ao decidir fazer cartão de crédito , prefira aqueles que não cobram a taxa de manutenção – sim, eles existem! Além disso, evite emprestá-lo a outras pessoas, mesmo que conhecidas. Com esses cuidados, você pode evitar as taxas de juros exorbitantes – e as armadilhas tentadoras das compras.  

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários