Brasil Econômico

undefined
Agência Brasil
De acordo com o Inpe, auge das queimadas será atingido no mês de setembro

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou mais de 53 mil focos de queimadas e incêndios florestais no país até o dia 5 de agosto e alerta que o tempo quente e seco pode agravar a situação, caso as ações de fiscalização não sejam intensificadas.

Os dados do Programa de Monitoramento de Queimadas e Incêndios Florestais registram aumento de 65% no número de queimadas no país em 2016 em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o Inpe, a temporada de queimadas no Brasil ainda está no início, com pico previsto para setembro. Portanto, a recomendação é que a população não coloque fogo na vegetação nesta época do ano, pois a ação humana, somada ao tempo quente e seco, ainda é uma das principais causas dos incêndios florestais.

LEIA MAIS: BNDES fecha 1º semestre com prejuízo líquido de R$ 2,174 bilhões

Levantamento

A situação no Acre é considerada grave. Foram registrados 844 focos no estado, número três vezes maior que em 2015. No Amazonas, foram registradas 3.022 queimadas, 284% a mais que em 2015.

O Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal do MCTIC fez um levantamento para os meses de agosto, setembro e outubro, prevendo o agravamento da seca que atinge o sudoeste da Amazônia, especialmente o Acre.

O clima pode levar o Rio Acre ao nível mais baixo nível da história, entre 1,20m e 1,30m. Caso isso ocorra, haverá impacto na navegação pelo rio, colocando o abastecimento de comunidades ribeirinhas em risco.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários