Setor de segurança e inteligência tem expectativa de crescimento
Pixabay - 24.08.2019
Setor de segurança e inteligência tem expectativa de crescimento

A empresa Tactical Response, especializada em treinamento tático e consultoria para os setores governamentais, se uniu a Kadima, multinacional israelense que conta com vasta experiência internacional.

Da fusão, nasceu a TR Kadima, que conta com a possibilidade de acessar mercados de segurança tática e de inteligência. Esse é um setor ainda pouco explorado no Brasil, porém com grande expectativa de crescimento devido à digitalização das informações públicas e privadas.

"O objetivo é, além de agências de segurança governamentais, também trabalharmos com o setor privado, com grandes famílias e empresas que precisam do serviço de segurança", explica Henry Tkacz, diretor de alianças do grupo e sargento da reserva nas forças especiais do Exército de Israel.

A fusão é financiada e gerida pela empresa de venture building do Grupo TNB.

A Tactical Response tem equipe composta por instrutores e consultores de alto nível de formação e com plena atuação no mercado de segurança e inteligência brasileiro. Atua no treinamento de diferentes órgãos e instituições, incluindo investigação e desenvolvimento baseados na pesquisa e na ciência e ajudou, recentemente, na operação que tirou brasileiros da zona de risco na Ucrânia .

Leia Também

Já a Kadima tem domínio em operações especiais, de inteligência e segurança de alto risco. Com a fusão, todos os clientes das duas empresas agora passam a ser atendidos pela TR Kadima.

A união das duas marcas permitirá o desenvolvimento de serviços mais completos no segmento tático, incluindo cada vez mais digitalização de dados, automação de processos e treinamentos específicos para cada ação.

Outra vantagem, creem os acionistas, é atrair tecnologia de ponta proveniente de Israel tanto para a área digital quanto para oferecer o treinamento tático brasileiro para outros países.

"O objetivo é trazer tecnologia de Israel de ponta na área digital e levar nosso treinamento tático de operações de alto risco para fora do Brasil", conta Paulo Cavalheiro, diretor de operações táticas do Grupo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários