Tamanho do texto

Privatização faz parte do plano de desinvestimentos da estatal, que pretende quitar dívidas e redirecionar recursos para exploração de petróleo no pré-sal

presidente da petrobras
Fernando Frazão/Agência Brasil - 3.1.19
Venda da BR é parte do plano de desinvestimentos da Petrobras, que quer direcionar esses recursos para pagar dívidas

A Petrobras prevê levantar até R$ 9,4 bilhões com a redução de sua participação acionária na BR Distribuidora. O processo de privatização da subsdiária, que é dividido em três etapas e deve acontecer até o fim deste mês, estima vender até 33,75% das ações da estatal, que ficaria com apenas 37,5% da empresa.

Leia também: Caixa levanta R$ 7,3 bilhões com venda de ações da Petrobras

Os detalhes foram divulgados nesta quarta-feira (3) pela própria Petrobras  por meio da publicação de um prospecto preliminar da operação. A privatização da BR Distribuidora faz parte do plano de desinvestimentos da estatal, que visa arrecadar recursos para quitar dívidas e direcionar investimentos para exploração de petróleo na camada pré-sal.

"A oferta base das ações será de 25%, podendo chegar até 33,75% do capital social da companhia, a depender do exercício do lote adicional e do lote suplementar", informou a Petrobras em comunicado. Até então, a estatal só havia adiantado que poderia reduzir sua participação na BR Distribuidora para menos de 50%.

Na primeira etapa da oferta pública, serão disponibilizados 25% das ações. Com a venda deste lote, a participação da Petrobras já passará a ser minoritária (46,25%) na distribuidora. As outras duas levas de ações – 3,75% e 5% – serão colocadas à venda apenas se houver demanda. O processo, segundo estimativas da estatal, pode lhe render entre R$ 7 bilhões e R$ 9,4 bilhões, levando em conta o valor das ações em 1º de julho (R$ 24,50).

Leia também: Produção de petróleo da Petrobras está estagnada, diz presidente da estatal

Sobre a BR Distribuidora

Presente em todos os estados, a BR é a maior distribuidora de combustíveis do País, detendo uma participação de 27,4% do mercado. Atualmente conta com uma rede de mais de 7 mil postos de gasolina e atua em 99 aeroportos brasileiros. No ano passado, a subsidiária da Petrobras registrou lucro de R$ 3,2 bilhões, tendo faturado R$ 97,8 bilhões.