Tamanho do texto

Um projeto de inteligência artificial de 2017 que busca retardar os efeitos do aquecimento global levou a empresa ao destaque no ranking da Just Capital

IstoÉ Dinheiro

microsoft
Shutterstock
Na lista das empresas mais sustentáveis do planeta feita pela ONG Just Capital, a Microsoft figura no primeiro lugar

A Microsoft passa por uma revolução no comando de Satya Nadella, que sem alarde fez com que a empresa voltasse a figurar entre as grandes do planeta, com produtos e lançamentos relevantes. Para além da inovação, a empresa responsável pelo sistema operacional mais famoso do mundo agora dá passos na direção de se tornar mais sustentável, algo que já vem dando resultados e foi reconhecida pelo ONG Just Capital, que realiza diversas listas de empresas que tem ações em prol de causas sociais.

Leia também: Com Amazon e Tesla, nova corrida espacial é privada e persegue outras metas

A última lista feita pela organização foi das empresas mais sustentáveis do planeta, e a Microsoft figura no topo do ranking. Um motivos da gigante da tecnologia estar em primeiro lugar é um projeto de inteligência artificial lançado em 2017 que busca retardar os efeitos do aquecimento global através dos resultados obtidos pelo algoritmos. A empresa também está liberando as linhas de códigos para que outros programadores consigam trabalhar no projeto. Até o momento a Microsoft garantiu licença para o projeto a 230 pessoas.

Outra medida em prol da sustentabilidade tomada pela companhia está no seu serviço de nuvem, o Azure, que foi alimentado com diversas informações governamentais sobre o clima para que pessoas possam usar esta base de dados para sugerir mudanças e soluções para a questão.

Leia também: Magazine Luiza anuncia compra da Netshoes por US$ 115 milhões

Na Índia, um dos países que pode ser mais afetado pelo aumento do nível do mar, a Microsoft realiza um programa baseado em inteligência artificial que ajuda pequenos fazendeiros a ter plantações maiores e melhores. A companhia também cobra uma “taxa de carbono” de US$ 15 por tonelada a empresas que trabalham com ela. A big tech também foi a responsável pela maior compra de energia solar dos Estados Unidos, ao adquirir um fazendo solar de 315 megawatts no estado americano da Virginia.