Aumento nos acidentes com biciletas e, principalmente, patinetes elétricos, faz Procon questionar segurança do serviço
undefined
Aumento nos acidentes com biciletas e, principalmente, patinetes elétricos, faz Procon questionar segurança do serviço


Com o  aumento de acidentes envolvendo biciletas e patinetes elétricos em São Paulo, o Procon-SP, vinculado à Secretaria da Justiça e Cidadania, notificou, na segunda-feira (6) quatro empresas que fornecem o aluguel desses meios de transporte na cidade.

Itaú Unibanco, Rappi Brasil Intermediação de Negócios, Scoo Mobilidade e Yellow Soluções de Mobilidade precisaram prestar esclarecimentos ao Procon , que irá avaliar a segurança do serviço prestado aos consumidores.

De acordo com a nota do órgão, as empresas que prestam essas serviços de mobilidade deverão "esclarecer desde quando o serviço de locomoção é prestado; se existe alguma restrição para uso (como idade, peso, altura ou outras condições físicas); qual a velocidade máxima atingida pelos equipamentos; quais informações são fornecidas sobre os riscos do serviço; e se são oferecidos equipamentos de segurança e orientação sobre a necessidade do uso desses itens."

Além disso, o Procon estabelece que essas marcas informem "se os consumidores são orientados sobre as regras de trânsito, conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB); quantos acidentes ocorreram desde a implantação dos serviços e quais foram as respectivas providências adotadas."

Leia também: Patinetes elétricos: já tentou? Veja quais são os tipos e saiba como alugar um

Para o CBT e o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), por serem motorizadas, as bicicletas e patinetes elétricos são considerados um "equipamento de mobilidade autopropelido" (com algum tipo de motorização e com as dimensões de largura e comprimento iguais ou inferiores as de uma cadeira de rodas).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários