Tamanho do texto

Segundo a fabricante, ideia é que, com versões mais diversas das bonecas, as crianças tenham a oportunidade de escolher aquela que mais lhes representa

undefined
Divulgação/Mattel
Entre os modelos lançados, há bonecas com diferentes corpos e estilos de cabelo, fugindo do padrão clássico da Barbie

A linha Barbie Fashionistas de 2019, lançada nesta sexta-feira (15) pela Mattel, ganhou uma coleção de bonecas com variados tons de pele, estilos de cabelo e formas físicas. A principal novidade, porém, ficou por conta das versões de cadeira de rodas e com prótese de perna, criadas para representar as crianças portadoras de deficiência.

Leia também: Uma em cada três matérias é dada por professor sem formação específica

Entre os modelos lançados, há bonecas mais curvilíneas, fugindo do padrão clássico da Barbie loira e magra, e um Ken negro com cabelo crespo. Segundo a Mattel, a ideia é que, com versões mais diversas das bonecas, as crianças tenham a oportunidade de escolher aquela que mais lhes representa.

“Há 60 anos, Barbie é um reflexo da cultura e da moda e isso é fundamental para a relevância contínua da marca. Nosso objetivo, ao desenvolver a Barbie para a próxima geração, é continuar sendo a linha de bonecas mais diversificada do mercado”, comentou Kim Culmore, vice-presidente de design da Barbie na Mattel.

Segundo o executivo, os novos modelos foram incluídos no portfólio da marca para representar melhor as pessoas e o mundo que as crianças veem ao seu redor. “Nosso compromisso com a diversidade e a inclusão é um componente essencial de nosso processo de design e estamos orgulhosos por saber que as crianças de hoje conhecerão uma imagem diferente da marca”, diz.

Leia também: Vídeo mostra criança correndo do colo da mãe antes de ser morta no metrô de SP

As novas bonecas ainda não estão disponíveis no Brasil, mas devem chegar às maiores varejistas ao longo deste ano. Os modelos devem custar, de acordo com a Mattel , de R$ 89,99 até R$ 149,99. A boneca mais cara deve ser a Barbie cadeirante.

Mudança de comportamento

undefined
Divulgação/Mattel
Em 2018, a Mattel lançou a linha Barbie Mulheres Inspiradoras, que homenageava ícones femininos como Frida Kahlo

Criticada pelo padrão rígido que as bonecas simbolizavam (loira, magra, alta e com cabelos lisos), a Mattel começou a caminhar em direção à inclusão há poucos anos. Em 2016, a marca incluiu três novos tipos de corpo – baixo, alto e curvilíneo – a sua linha Fashionistas, além de uma variedade de tons de pele, estilos de cabelo e roupas. No ano seguinte, lançou a primeira Barbie com hijab , um tipo de véu islâmico.

Além da diversidade étnica e física, a Mattel também começou a falar sobre empoderamento feminino em suas campanhas publicitárias. A empresa foi responsável pela ação "Imagine the possibilities" ("Imagine as possibilidades", em tradução livre), um vídeo reproduzido nas TVs norte-americanas que mostra meninas em situações reais que contrariam a imagem de futilidade tradicionalmente ligada à boneca.

Nos momentos representados, as crianças estão como professoras, paleontólogas, veterinárias e empresárias, surpreendendo as pessoas presentes. "Quando uma menina brinca com Barbie, ela imagina tudo que pode se tornar. Você pode ser qualquer coisa”, diz a mensagem final do vídeo.

Leia também: Ursal, Barbie fascista, Temer youtuber... Os memes que tomaram conta de 2018

Foi pensando nisso que a empresa lançou, em junho do ano passado, a Barbie engenheira robótica para incentivar meninas a aprender programação. Antes disso, em março, foi lançada linha Barbie Mulheres Inspiradoras, que homenageava ícones femininos como Frida Kahlo, a cientista espacial Katherine Johnson e a diretora Patty Jenkins, do filme Mulher-Maravilha.

    Leia tudo sobre: inovação