Tamanho do texto

Empresa formada por ex-executivos da Caloi e da 99 pretende colocar cerca de 20 mil bicicletas nas ruas da capital paulista até o próximo mês de julho

Brasil Econômico

Bicicletas fabricadas pela Yellow terão quadro de aço, pneu sem câmara de ar e GPS para coibir roubos
Divulgação
Bicicletas fabricadas pela Yellow terão quadro de aço, pneu sem câmara de ar e GPS para coibir roubos

Uma startup formada por ex-executivos da Caloi e da 99 promete colocar 20 mil bicicletas nas ruas de São Paulo para serem alugadas e deixadas em qualquer lugar a partir de julho. O serviço não terá estações epecíficas para as bikes, que ficarão soltas pela cidade.

Leia também: Concursos públicos que fecham até sexta-feira pagam entre R$ 9 mil e R$ 27 mil

Este modelo de aluguel, conhecido como "dockless", já é popular na China e em algumas cidades da Europa. O sistema faz com que as bicicletas fiquem travadas nas ruas, sendo liberadas apenas após um processo realizado por meio de um aplicativo para smartphones. 

A ideia dos fundadores da startup, chamada Yellow, é que os consumidores utilizem as bikes para completar seus trajetos, servindo como complemento ao transporte público. Os executivos imaginam que as elas serão usadas, na maior parte das vezes, para trechos de 1km a 2km. Por este motivo, o centro expandido será o foco inicial do sistema, mas a periferia da cidade também está nos planos da empresa. 

Leia também: Boletim Focus registra queda na projeção da inflação para 3,54% ao ano

Ainda não foi definido um preço para o aluguel das bikes, mas já é certo que o pagamento poderá ser feito por meio do Bilhete Único, cartão bancário ou fatura do celular. Visto que a ideia é ter as bicicletas como um complemento ao transporte público, a tarifa deve ficar abaixo de R$ 4, valor cobrado atualmente para usuários das linhas de ônibus, trem e metrô na capital paulista. 

As bikes que serão disponibilizadas para aluguel foram desenhadas de forma a permitir o uso constante sem danos ao produto. Elas terão quadro de aço e pneu maciço, sem câmara de ar. Isso também reduz os custos de produção e ajuda na tentativa de coibir os roubos, visto que as configurações são simples. Além disso, o pneu não encaixa em outras bicicletas e todas contam com sistema GPS.

Leia também: Aluguel deve sofrer aumento em abril, aponta IGPM

Um dos principais desafios da startup é a devolução das bikes, pois a prefeitura estabelece que empresas que trabalham com este sistema devem exigir aos consumidores que os produtos não sejam deixados em locais que atrapalhem os pedestres. Para superar esse obstáculo, a Yellow planeja premiar os usuários que deixarem as bicicletas em locias previamente definidos, como em praças, por exemplo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.