Brasil Econômico

Brasil Econômico

A rede de restaurantes fast-food McDonald's está sendo acusada de permitir que funcionários sejam explorados na Malásia. De acordo com uma reportagem publicada pelo jornal britânico The Guardian, os trabalhadores fazem acusações relacionadas à retenção de passaportes, à cobrança de taxas adicionais quando chegaram no país e ao atraso do pagamento dos salários.

+ “Mulheres são burras”: loja online revolta consumidores por camiseta polêmica

Segundo a reportagem, a mão de obra vem do Nepal e foi contratada pela Human Connection HR, uma empresa de recursos humanos que seleciona os funcionários das unidades do  McDonald's em Kuala Lumpur, a maior cidade da Malásia. Ao jornal, os funcionários alegaram ter se submetido a anos de exploração da agência de empregos e afirmam receber apenas 60 centavos de libra esterlina por hora (cerca de R$ 2,52). O pagamento ainda teria atrasado em alguns meses.

undefined
Pexels
Funcionários do McDonald's dizem que são obrigados a pagar taxas adicionais ao chegar na Malásia

+ Brasil tem segunda maior carga tributária em energia elétrica, aponta estudo

Os funcionários dizem que, ao chegar na Malásia, tiveram seus passaportes confiscados, contrariando as leis do país, e foram obrigados a pagar taxas adicionais, resultando em descontos de cerca de 25% nos salários mensais. Segundo os relatos, a cobranças geram meses de prejuízo durante o tempo de trabalho na rede de restaurantes.

Mais da metade dos funcionários afirma ter sido convencida a sair de seus trabalhos locais sem passaporte ou passagem de volta para entrar para o mercado de trabalho ilegal na tentativa de ganhar dinheiro. Outros dizem que foram obrigados a pagar sua passagem de volta para o Nepal mesmo após os passaportes não serem devolvidos pela empresa. Parte dos funcionários criticou o McDonald's por não responder às acusações de maus tratos da Human Connection.

"Não tínhamos dinheiro para comer porque não éramos pagos regularmente", disse um funcionário ao Guardian. Segundo ele, alguns trabalhadores entraram em greve por conta dos atrasos nos pagamentos. "Como podemos ir ao trabalho com o estômago vazio? Pensei que era uma boa empresa e eu iria ganhar algum dinheiro. Agora, minha vida está destruída. Sinto que não tenho futuro".  De acordo com o jornal, as unidades na Malásia são mantidas diretamente pelo McDonald's, ao contrário do sistema de franquias comum no Brasil, nos Estados Unidos e no Reino Unido. 

+ Netflix, Apple e Google são as marcas mais amadas do mundo, aponta pesquisa

Em resposta ao jornal, a empresa disse que terminou seu contrato com a agência de empregos. "No McDonald's Malásia, o bem-estar dos funcionários é a principal prioridade", disse o restaurante. "Neste ano, ficamos sabendo de certas circunstâncias relacionadas aos serviços oferecidos pela Human Connection HR que não estão de acordo com nossos padrões. Como resultado, terminamos nosso contrato com eles".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários