Werner Roger
werner roger
Werner Roger

Quem dirigiu pelas estradas do país já sofreu com o trânsito lento de uma fila interminável de caminhões. Grandes, pesados, em marcha lenta e desesperando os automóveis mais rápidos. Muito provavelmente também se assustou com esses mesmos caminhões embalados e colados à traseira, em alta velocidade, ladeira abaixo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Um caminhão, lento numa subida íngreme (especialmente quando carregado), na descida muda rapidamente esta condição. Essa metáfora pode se encaixar muito bem para o atual momento econômico e as escolhas que muitos investidores devem fazer.

No cenário dos investimentos, a inflação é aquela ladeira íngreme que trava o crescimento da economia. Os juros elevados atuam como um freio motor, que tenta conter a inflação e levar nossa economia para acelerar na descida (queda da inflação). O uso incorreto e a potência deste motor (velocidade e intensidade da elevação dos juros) podem causar efeitos adversos (recessão) ou mesmo de pouca eficácia, como a estagflação.

Aparentemente, os principais bancos centrais foram lentos no aperto monetário, muito dinheiro foi injetado na economia e a inflação disparou. Especialmente aquela ligada ao custo de produção, mais próximo à matéria prima (commodities). No Brasil, nosso Banco Central foi mais rápido e, ao acelerar o aumento da taxa Selic, aparentemente tem sido bem-sucedido na ancoragem das expectativas inflacionárias.

Entre as consequências de taxas de juro elevadas estão a redução do crescimento da economia medida pela variação do PIB, a queda do poder aquisitivo e a inibição na geração de empregos. Além dos perversos efeitos no custo da dívida pública, paga com impostos e o sacrifício dos investimentos em saúde, educação e segurança pública.

Com a taxa Selic em 13,25%, nos parece que a ladeira íngreme começa a suavizar e chegar ao seu final. Bem sabemos: uma vez no topo da curva, passado o ponto mais alto, começa a trajetória descendente – o motorista do caminhão, após embalar seu veículo, desengata o câmbio e com a força da gravidade (inflação declinante), começa a ganhar velocidade.

Se as taxas de juros realmente começarem a estabilizar, e em seguida, caírem, com PIB no sentido contrário, teremos forças agindo na mesma direção. Como elementos que catalisam um movimento de alta por investimentos em renda variável.

O mais importante não é como o mercado reagirá, mas sim acertar na seleção das empresas, observando fatores muito mais fáceis de analisar – aqueles próprios de cada empresa – do que tentar antecipar inflação, juros ou o comportamento do PIB. Grandes bancos e renomados economistas que previam PIB negativo para 2022, já revisaram suas expectativas, e aqueles
que já previam PIB positivo, estão revisando as estimativas para ainda mais acima. O que mudou? Apenas o próprio PIB, que segue seu ritmo, independente de palpites ou adivinhações, ou mesmo torcidas apaixonadas.

Pelo comportamento dos investidores que seguem uma análise macro (o top-down), a queda nas taxas de juros, associada a um maior crescimento no PIB, levaria a um reposicionamento de carteiras para os setores mais sensíveis a tais variáveis. A eventual volta do fluxo para o mercado de renda variável, seguindo principalmente estas variáveis macroeconômicas, poderá privilegiar as empresas small caps, mais sensíveis ao crescimento e aos juros. Para os investidores que utilizam a metodologia do fluxo de caixa descontado, crescimento e taxa de juros ou de desconto a valor presente são fundamentais para determinar o valor das empresas. Na subida “cê” me aperta, na descida “nóis” acerta.

Avaliar empresas e suas dinâmica de negócios, estratégia de longo prazo, qualidade de gestão, competitividade, crescimento mesmo em ambiente negativo e, principalmente, geração de valor ao acionista no longo prazo segue sendo fundamentais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários