Brasil Econômico

Apesar dos investidores em geral estarem mais familiarizados com CDBs, que são títulos de renda fixa emitidos por bancos, muitos estão descobrindo nas debêntures uma maneira de aumentar a rentabilidade do portfólio, uma vez que as mesmas podem ser isentas de IR e apresentam prazos maiores.

Mas o que são debêntures?

Debêntures são títulos de renda fixa que representam dívidas de empresas de capital aberto ou fechado. É como se o investidor emprestasse dinheiro por um prazo já determinado para a empresa emissora e em troca a mesma paga um prêmio (juros) por esse empréstimo. Estes juros podem ser mensais, semestrais ou anuais.  A amortização do principal, ou seja, a devolução do empréstimo, pode ser toda no vencimento ou paga ao longo do tempo até o vencimento final.

Leia também: Confiança do consumidor atinge o maior nível desde 2014, apontam CNI e FGV

As debêntures possuem 2 classes:

·         Não conversível: o ativo não pode ser conversível em ação da companhia emissora

·         Conversível: o ativo pode ser convertido em ação da companhia emissora em data determinada na emissão.

As debêntures podem ser emitidas com ou sem garantias. Quando têm garantia, os tipos são:

·         Garantia Real: as debêntures com garantia real são garantidas por ativos da companhia da emissora, ou de terceiros que ficam vinculados à emissão.

·         Garantia Fidejussória: garantia prestada por pessoas ou instituições e não por bens.

·         Garantia Flutuante: o investidor tem prioridade em relação a outros credores em caso de falência do emissor. Ou seja, caso algumas dívidas sejam honradas, o debenturista tem maior chance de ser pago.

·         Quirografária: sem privilégio sobre o ativo do emissor. Valor máximo a ser recebido limita-se ao capital social da empresa.

·         Subordinada: investidor tem preferência apenas sobre os acionistas da empresa

undefined
Reprodução
Rentabilidade atraente para o portfólio do investidor.

No caso da remuneração do investidor, as debêntures geralmente são emitidas pagando um percentual do CDI ou indexadas a um índice de inflação (IPCA ou IGPM) acrescidos de juros. Uma mesma empresa pode emitir uma série de debêntures indexada ao IPCA e outra série indexada ao CDI ao mesmo tempo.

No caso das debêntures incentivadas (aquelas que financiam projetos de infraestrutura no Brasil: logística e transporte, mobilidade urbana, telecomunicação etc), pessoas físicas são isentas de IR. Lembrando que antes de investir, o investidor deverá ter acesso à todas as informações relacionadas à debênture que está comprando.

Debêntures não incentivadas geralmente são emitidas para satisfazer a demanda de fundos de investimento e investidores pessoa jurídica e são tributadas de acordo com o a tabela regressiva para renda fixa.

Os principais fatores de risco são:

·         Risco de crédito: falência do emissor

·         Risco de mercado: risco atrelado a variações no cenário macroeconômico (política fiscal, monetária)

·         Risco de liquidez: caso o investidor queira vender a debênture antes do vencimento e não encontre comprador

·         Possibilidade de resgate antecipado: o emissor pode recomprar as debêntures que estão no mercado a um determinado preço. Caso esse preço seja menor do que o preço pago pelo investidor, o mesmo pode ter perdas. Esse tipo de cláusula deve constar no prospecto da debênture.

·         Debêntures não são garantidas pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito.

Leia também: Sócios fundam F11 Investimentos por autonomia na assessoria de investimentos

Para o investidor que está disposto a tomar um risco maior para aumentar a rentabilidade da sua carteira de investimentos, investir em debêntures é uma alternativa atraente. Como em qualquer investimento, o auxílio de um assessor é fundamental neste processo, uma vez que ele tem condições de analisar o produto e assim escolher qual se encaixa melhor no perfil de cada investidor.

Quer investir em debêntures ? Entre no nosso site ( www.f11investimentos.com.br ) e nos mande uma mensagem que entraremos em contato.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários