Sob a sombra da Covid-19, economia da China desacelera e cresce apenas 0,4% no segundo trimestre
Luciano Rodrigues
Sob a sombra da Covid-19, economia da China desacelera e cresce apenas 0,4% no segundo trimestre

economia chinesa cresceu somente 0,4% no segundo trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com Departamento Nacional de Estatísticas. Foi o pior desempenho do PIB da segunda maior economia do mundo desde o início da série histórica, em 1992, e o ritmo mais lento de crescimento desde o começo da pandemia do novo coronavírus - impactado pela rigorosa política sanitária do país, que continua provocando bloqueios generalizados e quarentenas em massa, interrompendo algumas atividades comerciais. 

O resultado do período ficou abaixo das piores previsões dos economistas, que apostavam em crescimento de 1%. Diante do fraco desempenho do PIB, a bolsas chinesas fecharam em queda. O Índice SSE Composite recuou 1,64%, enquanto a bolsa de Shenzhen caiu 1,52%. Na bolsa de Hong Kong, a queda foi de 2,19%.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A desaceleração de 2020 foi de curta duração, com a economia chinesa se recuperando quase imediatamente. Mas o panorama atual não é tão promissor, segundo publicou o jornal "The New York Times".

O desemprego está próximo dos níveis mais altos já registrados. Segundo o departamento de estatísticas, o índice entre os jovens aumentou para 19,3%.

O mercado imobiliário também não se recuperou ainda, e as pequenas empresas estão arcando com o peso da fraqueza nos gastos do consumidor - as vendas no varejo, um indicador de quanto os consumidores estão gastando, caíram 4,6 por cento em relação ao ano anterior, de abril a junho, segundo o governo.

“A China não está em posição de ser o motor global do crescimento, agora, e os fundamentos de longo prazo apontam para um crescimento muito mais lento na próxima década”, disse Kenneth Rogoff, professor de economia da Universidade de Harvard e ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional. 

Em maio, Li Keqiang, primeiro-ministro chinês, convocou uma reunião de emergência e soou o alarme sobre a necessidade de impulsionar o crescimento econômico para mais de 100.000 funcionários de empresas e governos locais. O forte alerta lançou dúvidas sobre a capacidade da China de atingir sua meta anterior de crescimento de 5,5% para o ano.

Setor imobiliário

Junto com o alto desemprego no país, há sinais emergentes de que a fraqueza no mercado imobiliário - que segundo algumas estimativas representa um quarto do produto interno bruto - também pode representar um grande problema para o governo da China, este ano.

As medidas para limitar a especulação imobiliária levaram o setor a uma espiral de dívidas, reduzindo os preços de imóveis novos pela primeira vez em anos e abalando a confiança dos consumidores, muitos dos quais investiram as economias das famílias em imóveis e, agora, estão se recusando a pagar as hipotecas.

“O risco de estagflação na economia mundial está aumentando”, disse o comunicado do departamento de estatísticas, observando que as incertezas externas estão crescendo.

Embora haja sinais de que a economia da China começou a se recuperar desde que Xangai afrouxou as restrições de bloqueio sanitário em junho, os analistas esperam que a pressão sobre o consumo provavelmente persistirá.

Todo esse cenário aumenta a pressão sobre o Partido Comunista, que se prepara para seu 20º congresso, quando o presidente Xi Jinping deve assumir outro mandato de cinco anos.

*Com agências internacionais

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários