Daniella Marques assume vaga deixada por Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual por funcionárias da Caixa
Ministério da Economia
Daniella Marques assume vaga deixada por Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual por funcionárias da Caixa

O governo federal confirmou, nesta quarta-feira (29), o nome de Daniella Maarques, atual secretária de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, para a presidência da Caixa após  a demissão de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual por funcionárias do banco estatal. A troca foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Pedro Guimarães se encontrou com o Bolsonaro durante a tarde. Na reunião, ele oficializou o pedido de demissão da presidência da Caixa Econômica Federal. Em carta entregue ao presidente e dirigida aos brasileiros e aos colaboradores do banco, Guimarães afirma que não teve tempo para se defender é que é alvo de uma “situação cruel, injusta, desigual e que será corrigida na hora certa com a força da verdade”. No Diário Oficial, a exoneração consta como "a pedido".

Daniella Marques também conversou com o presidente Jair Bolsonaro na tarde desta quarta-feira. No encontro, que aconteceu no Palácio do Planalto, a decisão já estava tomada. Segundo interlocutores do governo, não houve dúvida sobre o nome dela para suceder Pedro Guimarães no comando da Caixa Econômica Federal.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Por trás da escolha de Daniella está o ministro Paulo Guedes. O ministro trabalhou com a nova titular da Caixa na Bozano Investimentos, antes de ser convidado a assumir a pasta no governo Bolsonaro, e levou ela para sua equipe.

Daniella também se aproximou, nos últimos meses, do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), um dos principais líderes do Centrão.

A saída de Guimarães do cargo foi motivada por denúncias de funcionárias da Caixa, que acusaram o então presidente da instituição de assédio sexual. A notícia caiu como uma bomba no núcleo político da campanha de reeleição de Bolsonaro.

Uma reportagem sobre o tema, acompanhada por vídeos com depoimentos de cinco vítimas de Guimarães, foi publicada na terça-feira pelo site “Metrópoles”. As funcionárias, cujas identidades foram preservadas, relataram comportamentos inapropriados, como convites, frases constrangedoras e toques em partes do corpo delas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários