Caixa: denúncias contra presidente e vice foram abafadas, dizem testemunhas
Valter Campanato/Agência Brasil
Caixa: denúncias contra presidente e vice foram abafadas, dizem testemunhas

Funcionárias da Caixa ouvidas pelo GLOBO relatam que  as denúncias vão além do presidente do banco, Pedro Guimarães. Segundo o relato de duas testemunhas, que pediram para não ser identificadas, os casos de assédio sexual foram abafados pela instituição financeira e envolveram um vice-presidente, que é investigado pelo Ministério Público Federal (MPF).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Procurados, Guimarães e a Caixa não se pronunciaram. Em um evento a portas fechadas na manhã desta quarta-feira (29) na sede da Caixa Cultural em Brasília, o presidente do banco  acenou a sua esposa na plateia e disse que tem "uma vida inteira pautada pela ética".

"Quero agradecer a presença de todos vocês, da minha esposa, acho que a mulher é muito cara, são quase 20 anos juntos, dois filhos, uma vida inteira pautada pela ética, tanto é verdade que quando o assumi o banco, o banco tinha os piores ratings das estatais, dez anos de balanço com ressalvas", afirmou o presidente da Caixa em um vídeo obtido pelo GLOBO.

De acordo com o relato de duas servidoras da Caixa durante uma viagem a trabalho, um vice-presidente da Caixa sugeriu que uma funcionária trocasse de roupa e fosse para a piscina do hotel se encontrar com Pedro Guimarães. Chegando lá, segundo uma testemunha, o executivo teria perguntado se a vítima gostaria de "entrar para o círculo de confiança" e teria dito ainda se ela quisesse transar com ele seria "tranquilo", se ela "quisesse transar com o presidente seria tranquilo também" e "se quisesse subir agora para o quarto do presidente e transar com os dois, tudo bem", "porque confiança é isso".

Abalada com a situação, a vítima procurou a Vice-Presidência de Pessoas para ser orientada. Chorando, ela relatou o episódio e disse que não sabia o que fazer. Pouco tempo depois, o caso foi levado ao conhecimento do vice-presidente e de Pedro Guimarães, que teria oferecido um pedido de desculpas e uma promoção de cargo. Essa investida foi interpretada como uma forma de abafar o escândalo.

Outras funcionárias da Caixa, que dizem terem sido vítimas de Pedro Guimarães, discutiam desde o ano passado denunciar o caso para o Ministério Público Federal, mas tinham receio de sofrerem retaliação. Segundo elas, o presidente da Caixa fazia questão de demonstrar a sua influência no governo e junto ao presidente Jair Bolsonaro.

Após reunirem uma série de relatos, algumas mulheres resolveram levar as acusações de assédios sexuais do presidente da Caixa ao conhecimento Ministério Público Federal, abriu uma investigação para apurar o caso.

"Carnaval fora de época"

Nessa terça-feira, o site Metrópoles revelou o caso e divulgou os depoimentos em vídeos das funcionárias que denunciaram Pedro Guimarães por assédio sexual.

De acordo com o Metrópoles, há diversas acusações de Guimarães agindo de forma inapropriada, com toques íntimos não autorizados, convites incompatíveis com a situação de trabalho e outras formas de assédio. Os relatos destes supostos abusos ocorreram, na maior parte das vezes, em viagens de trabalho da Caixa pelo Brasil.

Os vídeos publicados pelo Metrópoles destacam relatos de vítimas que dizem sob a condição de anonimato terem sido convidadas por Guimarães para irem à sauna ou piscina durante viagens a trabalho do banco.

Em um dos depoimentos ao site, uma das funcionárias conta que Pedro Guimarães teria sugerido que em uma das viagens seguintes, para Porto Seguro, deveria ser feito um "carnaval fora de época". A declaração aconteceu durante um jantar após os eventos na cidade sobre o programa Caixa Mais Brasil.

"Ninguém vai ser de ninguém. E vai ser com todo mundo nu", teria dito o presidente da Caixa, segundo o relato de uma testemunha divulgado pelo Metrópoles.

As declarações do presidente foram confirmadas pelo Metrópoles com outros integrantes da comitiva presentes no jantar.

Uma funcionária contou ao site que o Guimarães teria se virado para ela e feito uma afirmação agressiva: "Ele me falou: 'Vou te rasgar. Vai sangrar'".

As denúncias divulgadas pelo Metrópoles também apontam que Guimarães "pegava" na cintura ou no pescoço de funcionárias sem consentimento. Segundo o site, o presidente da Caixa chegava a pedir para as suas auxiliares levarem em seu quarto de hotel objetos que ele "precisava" e, ao menos uma vez, atendeu a uma delas de cueca, enquanto que, em outra, teria pedido para a mulher tomar um banho e voltar para seu quarto para "tratarem de sua carreira".

Em nota enviada ao Metrópoles, a Caixa disse que "não tem conhecimento das denúncias apresentadas pelo veículo".

"A Caixa esclarece que adota medidas de eliminação de condutas relacionadas a qualquer tipo de assédio. O banco possui um sólido sistema de integridade, ancorado na observância dos diversos protocolos de prevenção, ao Código de Ética e ao de Conduta, que vedam a prática de ‘qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça’. A Caixa possui, ainda, canal de denúncias, por meio do qual são apuradas quaisquer supostas irregularidades atribuídas à conduta de qualquer empregado, independente da função hierárquica, que garante o anonimato, o sigilo e o correto processamento das denúncias. Ademais, todo empregado do banco participa da ação educacional sobre Ética e Conduta na Caixa, da reunião anual sobre Código de Ética na sua Unidade, bem como deve assinar o Termo de Ciência de Ética, por meio dos canais internos. A Caixa possui, ainda, a cartilha ‘Promovendo um Ambiente de Trabalho Saudável’, que visa a contribuir para a prevenção do assédio de forma ampla, com conteúdo informativo sobre esse tipo de prática, auxiliando na conscientização, reflexão, prevenção e promoção de um ambiente de trabalho saudável”, afirma o banco.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários