Passagens aéreas: Pesquisar e comprar com antecedência fazem a diferença, dizem analistas
shutterstock
Passagens aéreas: Pesquisar e comprar com antecedência fazem a diferença, dizem analistas

Atualmente, para viajar de avião, o brasileiro precisa dominar a arte de conseguir conciliar preço acessível a datas viáveis. Segundo especialistas, uma das principais dicas é pesquisar e comprar com antecedência.

"Para voo nacional, o ideal é de 30 a 60 dias antes da data do voo. Menos ou mais do que isso, o voo estará cheio e vazio, respectivamente, e a empresa não terá interesse em vender mais barato", diz a empresária e especialista em turismo Thyara Rodrigues.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

No caso dos internacionais, ela recomenda um período de 45 dias a quatro meses, no máximo seis: acima disso é comum haver cancelamentos. Thyara sugere ainda seguir redes sociais de empresas áreas e sites que vendem passagens, para acompanhar as promoções. Vale cadastrar alertas para os destinos desejados.

A diretora de voos da Decolar, Daniela Araujo também defende a compra antecipada de bilhetes. E diz que é preciso ver as condições de pagamento, pois pode haver benefícios diferenciados. Daniela recomenda ainda a compra de pacotes: segundo ela, a passagem comprada separadamente chega a custar até 35% a mais do que quando em conjunto com a hospedagem.

Ambas concordam, porém, que é lenda haver um dia ou horário melhor para comprar passagens. Segundo Thyara, as promoções surgem “a qualquer hora do dia”.

Também é importante ser flexível. Sexta-feira e domingo à noite são os dias mais caros, assim como os feriados.

Veja algumas dicas

  • Para passagens nacionais, o indicado é comprar de 30 a 60 dias antes da data do voo. Menos do que isso, provavelmente ele estará cheio. Mais, vazio. Nos dois casos a companhia não terá interesse em vender mais barato.
  • No caso dos internacionais, o período indicado é de 45 dias a quatro meses, no máximo seis meses, pois além deste prazo o risco de remarcações e cancelamentos é grande.
  • Fique atento às vantagens de cada forma de pagamento. A dica de Daniela Araújo é parcelar no boleto e deixar o limite do cartão para gastar na viagem.
  • A executiva da Decolar também indica as compras de pacotes. Segundo ela, comprar a passagem separadamente chega a custar até 35% a mais do que quando em conjunto com a hospedagem.
  • Ter o melhor dia e horário para comprar é lenda. As promoções surgem conforme as demandas das empresas. Como na madrugada há menos movimento, pode ser que tenham preços mais baixos. Acontece, mas não é regra.
  • É mito também a história de entrar em outro aparelho ou site anônimo com a ideia de que a passagem fica mais cara quando a pesquisa está no histórico (mas, às vezes, dá certo).
  • Acompanhe os sites e siga nas redes sociais as companhias aéreas e sites que vendem passagens, como Decolar, Melhores Destinos, Passagens Imperdíveis e Passageiro de Primeira. Cadastrar alerta para os destinos que pretende viajar também é uma boa dica.
  • Além da busca de ida e volta, pesquise nos trechos separados em companhias diferentes. Se tiver certeza da viagem, às vezes vale a pena comprar até mesmo a passagem de volta, caso ela esteja na promoção e depois achar uma de ida.
  • Sexta e domingo à noite, assim como segunda de madrugada são os dias mais caros. Se puder flexibilizar sua agenda, melhor.
  • Estes dias também são os piores para conseguir passagens com milhas. O mesmo acontece nos feriados e datas como carnaval e Réveillon. Por isso, a sugestão é usar a pontuação em trechos e datas que não sejam muito concorridos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários