Número de famílias em extrema pobreza salta 1,8 milhões em 2022
Wikimedia Commons
Número de famílias em extrema pobreza salta 1,8 milhões em 2022

O Brasil registrou 1,8 milhões de famílias a mais em situação de extrema pobreza nos dois primeiros meses de 2022, um aumento de 11,8% em relação ao final de 2021. Ao todo, o país soma 17,5 milhões de famílias vivendo com renda per capita mensal de até R$ 105, segundo dados do Cadastro Único. 

Cadastro Único para Programas Sociais ou CadÚnico é um instrumento de coleta de dados e informações para identificar todas as famílias de baixa renda existentes no país para fins de inclusão em programas de assistência social e redistribuição de renda, como o Auxílio Brasil e o extinto Auxílio Emergencial. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Em 2021, eram 15,7 milhões de famílias na faixa de extrema pobreza, e, em março de 2020, início da pandemia, eram 13,5 milhões. De lá para cá, a alta foi de 22,8%.

Apesar do aumento de famílias cadastradas na base de dados nesse período, o número de registros atualizados diminuiu. Foram mais de um milhão de inscrições durante a pandemia, enquanto as atualizações caíram 1,87 milhões. 

Todos os meses, o Ministério da Cidadania selecionará novos beneficiários para o programa, desde que os dados estejam atualizados.

Apesar de ser pré-requisito para o novo programa social, a inscrição no CadÚnico não representa garantia de que a família passará a receber o Auxílio Brasil. Apenas significa que ela está incluída em uma lista de reserva do programa, que será ampliado à medida que o governo tenha recursos no Orçamento. Os escolhidos todos os meses serão comunicados oficialmente pelo Ministério da Cidadania.

As informações deverão ser atualizadas a cada dois anos, mesmo que não haja mudança de dados. Caso haja alterações na família, a atualização deve ser feita o mais depressa possível. Isso se aplica em situações como novo endereço; aumento ou diminuição de renda; mudança de escola de filhos crianças ou adolescentes; alterações nos documentos do responsável pelo domicílio; nascimentos, mortes, chegada e saída de pessoas no domicílio.

Veja a base de dados do CadÚnico .

Auxílio Emergencial

Desde o fim do Auxílio Emergencial, o número de famílias em extrema pobreza cresceu 2,5 milhões, representando alta de 14,1% em 5 meses. 

No auge dos efeitos do benefício, a pobreza diminuiu no país, mesmo diante da pandemia. Em 2019, 6,6% dos brasileiros estavam em extrema pobreza e 24% em pobreza não extrema. Em julho de 2020, no entanto, essas taxas tinham caído para 2,4% e 20,3%.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários