79% dos consumidores devem ir às compras
Divulgação/Pexels
79% dos consumidores devem ir às compras

Considerada pelos varejistas como o “Natal do primeiro semestre”, sendo a segunda melhor data do ano em termos de faturamento, o Dia das Mães deve aquecer as vendas pelos próximos dias. Levantamento feito em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offerwise, revela que 79% dos consumidores devem realizar pelo menos uma compra no período — o dado fica bastante próximo dos 77% observados em 2021. Em números absolutos, a expectativa é de que aproximadamente 127,2 milhões de brasileiros presenteiem alguém este ano, o que deve movimentar uma cifra próxima de R$ 28,16 bilhões nos segmentos de comércio e serviços.

O cenário econômico do país e a alta da inflação preocupam os consumidores: 80% consideram que os preços dos produtos estão mais caros este ano, se comparado com 2021. Em comparação com o ano passado, 37% dos consumidores pretendem comprar a mesma quantidade de produtos, 28% comprar mais e 17% comprar menos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Em relação aos gastos, 33% esperam gastar mais este ano, principalmente para comprar um presente melhor (41%), porque os produtos estão mais caros (40%) e porque vão comprar mais presentes (25%). Por outro lado, 23% pretendem gastar menos, sobretudo porque o cenário econômico está pior que no ano passado (31%), devido ao orçamento apertado (28%) e para economizar (20%).

“O levantamento traz ânimo para o setor apesar de saber que o consumidor está cauteloso. A inflação impacta diretamente no poder de compra da população, mas a data continua como uma das mais importantes do varejo e o brasileiro mantém a tradição de presentear as mães”, completa Costa.

A pesquisa ainda revela que no Dia das Mães deste ano, os produtos campeões de venda devem ser as roupas, calçados ou acessórios (44%), perfumes (37%), chocolates (23%) e cosméticos (23%).

Em média, cada cliente deve adquirir dois presentes e as principais presenteadas serão a mãe (76%), a esposa (19%) e a sogra (18%). 25% dos entrevistados devem gastar entre R$ 51 a R$ 200 com os presentes. Já considerando a média total de gastos, o brasileiro deve desembolsar R$ 221,42. Entre os entrevistados, 43% planejam comemorar na casa da mãe, 29% em sua própria casa e 11% vão almoçar fora (com aumento de 8 pontos percentuais frente a 2021).

As lojas físicas aparecem como o principal local de compras dos brasileiros, 75% dos entrevistados afirmaram que pretendem comprar a maioria dos presentes fisicamente sobretudo nos shopping centers (31%) e em lojas de rua (24%).

A internet aparece como local de compra de 44% dos consumidores, uma redução de 13 pontos percentuais em relação ao ano passado, principalmente nos sites e lojas virtuais (36%). Considerando os que devem fazer compras em sites/lojas online, os mais citados são os sites de varejistas nacionais (58%), varejistas internacionais (43%) e de lojas de cosméticos (36%).
Continua após a publicidade

Para os entrevistados, os fatores que mais pesam na escolha do local de compra são a atratividade do preço (42%), a qualidade dos produtos (36%) e as promoções (32%).

Leia Também

“Dá para perceber que o consumidor está animado para fazer suas compras presencialmente, consequência da vacinação e da segurança que as pessoas estão sentindo em voltar a frequentar o comércio e shoppings. Por isso o varejista deve estar preparado para receber os consumidores e garantir as vendas”, destaca Costa.

Pesquisa antes da compra

O consumidor está atento aos preços e a grande maioria (81%) pretende fazer pesquisa antes de comprar os presentes, principalmente em sites/aplicativos (71%), nas redes sociais (41%) e nos shoppings (40%). E os sites e aplicativos mais utilizados para pesquisar preços são os de lojas varejistas (72%), os buscadores (65%) e os de comparação de preços (36%).

As principais formas de pagamento serão o cartão de crédito parcelado (34%), dinheiro (29%, com queda de 11 pontos percentuais em comparação com o ano passado) e PIX (26%, com aumento de 10 pontos percentuais frente a 2021).

“O PIX já faz parte do dia a dia do brasileiro, que está cada vez mais ambientado com a ferramenta. Por isso, as lojas devem estar preparadas para receber essa forma de pagamento, que além de rápida, está isenta das taxas cobradas pelos cartões de crédito e débito. É uma forma de pagamento boa para o consumidor e também para o estabelecimento comercial”, destaca Costa.

Contas atrasadas

A pesquisa apresenta ainda um dado preocupante com relação ao orçamento dos consumidores: 24% admitem que costumam gastar mais do que podem com as compras para o Dia das Mães.

Outro comportamento imprudente, 37% dos consumidores estão com contas em atraso, sendo que 68% estão com o nome sujo atualmente. Além disso, 11% reconhecem que podem deixar de pagar alguma conta para ir às compras neste Dia das Mães.

A especialista em finanças da CNDL, Merula Borges, alerta sobre a importância do planejamento em datas comemorativas, para que o lado emocional não se sobreponha à realidade financeira do consumidor.

“O gasto com o presente precisa caber no orçamento. Antes de sair para as compras, é essencial que o consumidor analise suas contas e seus gastos básicos e defina com clareza o quanto pode gastar, dentro de uma análise realista. Para evitar que uma data comemorativa leve o consumidor ao descontrole das finanças e acabe virando motivo de preocupação, ou até mesmo negativação do seu CPF, ele precisa ser um consumidor planejado para não ceder às compras por impulso”, orienta.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários