Campos Neto diz que deve elevar expectativa de crescimento do Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Campos Neto diz que deve elevar expectativa de crescimento do Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a expectativa de crescimento do Brasil deve ser revista ligeiramente para cima, apesar da guerra na Europa.

Para ele, o conflito entre Rússia e Ucrânia afetará mais profundamente a Europa, principalmente na questão da energia, trazendo reflexos para o Brasil, mas que alguns choques podem ser positivos, como uma consolidação do país como produtor de energia limpa.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

"O Brasil tem essa expectativa de (crescimento do PIB) de 0,5%, e a gente acha que vai, provavelmente, sofrer alguma revisão para cima nas próximas semanas, nos próximos meses. Não será um crescimento muito grande, mas a gente acha que com os ingredientes que a gente tem na mesa, mesmo com os efeitos da guerra, vão levar a uma mudança, uma revisão na expectativa ligeiramente para cima desse número", afirmou durante evento na tarde desta quinta-feira (7).

Leia Também

Campos Neto ainda ponderou que nas projeções de crescimento para 2022, os países da Ásia vem se sobressaindo e também aqueles que tiveram uma recuperação em menor velocidade da retração da pandemia. Para a Europa, ele avalia que ainda será preciso quantificar e precificar os efeitos do conflito.

Para ele, a guerra já é um conflito de proporções muito maiores do que as inicialmente previstas e que trará choque de ofertas, com potencial para ampliar as pressões inflacionárias já existentes e com reflexos importantes no setor energético.

No curto prazo, aumenta os desafios para a transição para uma economia verde por causa da elevação dos custos ao mesmo tempo que incentiva o uso de fontes alternativas. Para o longo prazo, vai exigir um redesenho das matrizes energéticas. Esse efeito, associado a uma reorganização das cadeias globais de valor pode representar uma oportunidade para o Brasil:

"O Brasil tem uma oportunidade de ser o país que vai fazer essa energia limpa, que vai produzir essa energia limpa, que vai estar presente nessas cadeias globais".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários