Mercedes-Benz anuncia férias coletivas
Redação 1Bilhão
Mercedes-Benz anuncia férias coletivas

 Sem chips e outros componentes eletrônicos para a produção de veículos comerciais, a Mercedes-Benz anunciou nesta segunda-feira (4) que vai colocar em férias coletivas 5 mil trabalhadores de sua fábrica em São Bernardo do Campo, São Paulo, onde produz caminhões, chassis de ônibus e agregados (câmbios, motores e eixos). Os metalúrgicos ficarão parados entre 18 de abril e 3 de maio, segundo a montadora.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Também serão colocados em férias neste perído 600 trabalhadores que atuam na fabricação de cabinas de caminhões, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Conforme a Mercedes-Benz, esse é mais um "ajuste" que promove na sua produção, dentro de uma série de alternativas que tem adotado "junto à cadeia brasileira de suprimentos e ao Daimler Truck mundialmente para enfrentar os desafios diários de abastecimento de peças, situação que afeta toda a indústria global".

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC lembrou que a montadora já havia colocado cerca de 1,2 mil trabalhadores em férias coletivas em março, por problemas na cadeia de fornecimento de peças. Conforme o sindicato, em sua planta de São Bernardo a Mercedes mantém cerca de 6 mil trabalhadores na linha de produção.

"Com isso, todo o processo de produção ficará parado neste período. Novamente haverá interrupção dos processos de contratações", disse o coordenador do comitê sindical na Mercedes-Benz, Sandro Vitoriano, por meio de mensagem transmitida pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

No texto, o diretor executivo do sindicato Aroaldo Oliveira da Silva destaca que "o anuncio destas férias coletivas mostra a falta de planejamento e de debate por parte do governo federal sobre novas tecnologias, inovação e desenvolvimento".

"Já sabíamos que precisávamos desenvolver alguma parte da cadeia de valor de semicondutores e o que o governo atual fez foi o desmonte do segmento no país. Agora estamos reféns, mais do que nunca, da importação dos semicondutores."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários