Uma levantamento mapeou preços de itens em 10 supermercados, 10 hortifrutis e 10 feiras no Rio e em São Paulo
Reprodução/iG Minas Gerais
Uma levantamento mapeou preços de itens em 10 supermercados, 10 hortifrutis e 10 feiras no Rio e em São Paulo

Que legumes, verduras e frutas têm roubado boa parte do orçamento das famílias, todo mundo já sabe - basta uma ida ao mercado. Na inflação de janeiro para fevereiro, divulgada pelo IBGE no último dia 11, Alimentação e Bebidas tiveram alta de 1,28%, e pressionaram o indicador, que ficou em 1,01%: a batata inglesa, por exemplo, subiu 23,49% e a cenoura disparou a 55,41%. Na hora de ir às compras, fica a pergunta: onde é mais barato comprar frutas, verduras e legumes?

De acordo com uma pesquisa da Associação Proteste, a feira tem os preços que valem mais a pena do que os ofertados em sacolões, mercados e hortifrutis. O levantamento pesquisou entre 1º e 17 de janeiro os preços da alface crespa, alho, banana prata, batata, berinjela, brócolis, cebola, cenoura, espinafre, laranja pêra, limão taiti, maçã gala nacional, pêssego nacional, tomate e uva thompson em 10 supermercados, 10 hortifrutis e 10 feiras no Rio e em São Paulo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Na capital fluminense, a diferença de preço é de 22%, com a cesta completa com os 15 produtos indo de R$ 96,71 na feira, a R$ 117,85 no supermercado. Em São Paulo, a diferença é de 30%. A feira do Rio também tem preços mais baratos para 9 dos 15 produtos pesquisados, enquanto na capital paulista, 10 dos preços médios são melhores em feiras.

A pesquisa mostra também a importância da pesquisa de preços na hora das compras: uma alface crespa no Rio pode custar R$ 0,99, ou até R$ 7,49, uma variação de 657% apenas entre dois bairros. Na capital paulista, a maior variação, de 650%, foi do brócolis, encontrado por R$ 2 e R$ 14,99.

Como economizar mais na hora das compras

Apesar de apresentar os melhores preços, as feiras, de acordo com a Proteste, oferecem mais riscos contra o consumidor, já que não há padronização na medida dos produtos, muitas vezes sem balança. Uma saída para quem vai à feira com frequência é o uso de uma balança pequena de mão, que permite ao consumidor confirmar o peso dos produtos.

Outra dica é comprar alimentos “da época”, que por isso geralmente estão mais em conta e com maior qualidade. Além é claro, de ir à feira na hora da xepa, já que nem todos os produtos são de baixa qualidade, e pechinchar descontos direto com o vendedor.

Leia Também

Nos supermercados, ir em dias específicos de promoções no hortifruti vale a pena, assim como evitar grandes compras nos primeiros dias do mês, quando a maioria das pessoas recebem seus salários.




    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários