Comissionados do Banco Central aderiram a entrega de cargos por reajuste salarial
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Comissionados do Banco Central aderiram a entrega de cargos por reajuste salarial

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) informou que 2 mil funcionários comissionados do BC entregaram seus cargos em protesto a negativa de reajuste salarial da categoria. Os dados foram divulgados em reunião nesta terça-feira (11) com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Ao todo, 500 cargos são efetivos ou substitutos e 1,5 mil funcionários que se comprometeram a não assumir as vagas restantes. A previsão, é que o número possa atingir 3 mil funcionários até o fim deste mês.

Além do Sinal, participaram do encontro a Associação Nacional de Analistas do Banco Central (ANBCB) e o Sindicato Nacional dos Técnicos do Banco Central do Brasil (SinTBacen). Em nota divulgada na tarde desta terça-feira, os sindicatos informaram que não houve acordo entre as partes.

"Reunião com o presidente do BC foi amistosa e propositiva. Porém, não houve proposta concreta de reajuste, somente declarações de intenções: 'vamos tentar' 'vamos conversar'", aponta a nota do Sinal.

Leia Também

Os sindicatos ainda mantiveram uma mobilização para o próximo dia 18, que contará com a participação de servidores da Receita Federal e auditores trabalhistas. Além do BC, o Ministério da Economia também será alvo dos protestos.

A mobilização é por reajuste salarial e atendimento as outras demandas das categorias, como bonificações extras e benefícios previdenciários. Os protestos começaram após o Palácio do Planalto anunciar o aumento dos vencimentos de policiais em 2022.

No entanto, o presidente Jair Bolsonaro (PL), afirmou no último sábado (8) que o reajuste ainda não está confirmado, provocando revolta de funcionários da segurança pública.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários