Paulo Guedes e Bolsonaro
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Paulo Guedes e Bolsonaro

Paulo Guedes reconheceu nesta sexta-feira, a investidores internacionais, que os "barulhos políticos"afetam a economia, que pode crescer menos, e que a inflação está em seu pior momento. O ministro da Economia ainda disse que o presidente Jair Bolsonaro pode ter passado dos limites "nas palavras, não nas ações", em sua primeira fala após os atos antidemocráticos do 7 de Setembro, o recuo do presidente e dias de fortes oscilações no mercado financeiro. Porém, Guedes tentou demontrar otimismo tanto no controle da inflação como nas instituições brasileiras.

"Nunca aposte contra a democracia brasileira. Nós estamos avançando o tempo todo. É muito barulho, mas estamos avançando. Somos os único país promovendo reformas estruturais em meio à pandemia", disse.

O ministro também comentou sobre o "barulho" da democracia brasileira. Ele reconheceu que o presidente Jair Bolsonaro pode ter se excedido em palavras, mas não em ações, e destacou a solidez da democracia brasileira ao afirmar que os excessos de um ator vêm sendo contidos por outras instituições.

Questionado sobre efeitos na economia brasileira, o ministro ponderou que pode haver uma desaceleração do crescimento, mas que o governo está na direção certa, após anos em rota oposta. Ele ainda defendeu seu ponto sobre o país ter tido uma recuperação em V, e acrescentou que isso não significa uma rota em V.

"A sua pergunta é se poderia todo esse barulho sobre as instituições e democracia perturbar esta muito bem posicionada economia, no sentido de que já estamos prontos para avançar de novo. Minha resposta é que pode fazer muito barulho, pode desacelerar o crescimento, mas nós não vamos mudar a direção. Nós estamos na direção certa. Interrompemos a rota errada. Estamos de volta aos negócios e nosso governo está seguro de que vamos seguir na direção correta", afirmou.

Um dia após a divulgação da inflação, que se aproxima dos dois dígitos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reconheceu que a pressão sobre os preços é uma questão chave e que o Brasil vive o pior momento da inflação. Para Guedes, o processo de redução da inflação será lento.

"Ela vai reduzir lentamente e vamos fechar o ano entre 7,5% e 8% porque ainda temos alguns avanços para fazer", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários