Caixa diz que bateu recorde de lucro no primeiro semestre de 2021; Fenae questiona
Reprodução: ACidade ON
Caixa diz que bateu recorde de lucro no primeiro semestre de 2021; Fenae questiona

A Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) emitiu uma nota rebatendo os dados de lucro do banco, divulgados na última quinta-feira (19). Segundo a Fenae, os índices financeiros alçados pela estatal no segundo trimestre se deve à "política de desinvestimentos" adotada pela atual gestão da empresa, entre elas à venda de ações e privatização de subsidiárias estratégicas. 

Segundo a Caixa, o banco apresentou lucro líquido de R$ 6,3 bilhões no segundo semestre deste ano, alta de 144,7 % em relação ao mesmo período de 2020. Com o resultado, a estatal encerra o primeiro semestre com lucro de R$ 10,8 bilhões, maior valor já registrado pela Caixa. 

“São resultados impulsionados, na verdade, pela venda de ativos do banco, que vai sendo esvaziado, desmontado, tendo o seu papel social comprometido em prejuízo aos brasileiros”, afirma o presidente da Fenae, Sergio Takemoto.

“Mais do que nunca, especialmente em um contexto de pandemia e grave crise econômica, é necessário preservar e reforçar a importância da Caixa para o Brasil”, acrescenta.

Segundo a entidade, a venda da Caixa Seguridade (R$ 3,3 bilhões) e do Banco Pan (1,9 bilhão) colaboraram para a alta nos lucros da empresa. Para Takemoto, os dados confirmam que o anúncio feito pelo banco só foi possível após vendas de subsidiárias necessárias para a população.

Você viu?

"Ou seja: os resultados se devem à venda de patrimônio público e não somente de operações do banco", afirma.

"A Caixa 100% pública comprova o quanto é imprescindível aos brasileiros e para o desenvolvimento do país; especialmente, durante toda a pandemia. Ela chega onde os bancos privados passam longe", destaca o presidente da Fenae.

O estudo feito pela federação ressalta que o número de demissões realizadas pelo banco também colaborou para atingir níveis recordes de lucro em 2021. Segundo informações da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), a Caixa Econômica Federal perdeu cerca de 20 mil empregados em sete anos e fechou o primeiro semestre de 2021 com 84 mil funcionários. 

"É lamentável constatar o esforço do governo federal para o enfraquecimento do patrimônio público, com uma postura completamente avessa ao forte papel social que a Caixa representa para o Brasil", critica Fabiana Uehara, coordenadora da CEE/Caixa.

"Sabemos que por trás dos resultados alcançados pelo banco estão os esforços dos empregados, que se desdobram para dar conta de atender milhões de brasileiros", completou Sérgio Takemoto.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários