Dólar dispara e atinge R$ 5,20 nesta terça-feira
Arquivo/Agência Brasil
Dólar dispara e atinge R$ 5,20 nesta terça-feira

O dólar bateu R$ 5,20 nesta terça-feira (6), com os investidores de olho nos possíveis efeitos da turbulência política para os negócios. A Bolsa apresenta queda, acompanhando a tendência de baixa vista no dia anterior. Em 22 de junho, pela primeira vez em um ano, a moeda norte-americana havia fechado abaixo de R$ 5 . Após sequência de altas, dólar fechou a R$ 5,08 nesta segunda e disparou rapidamente nesta terça, chegando a atingir os R$ 5,20.

No cenário externo, os agentes de mercado já se preparam para a divulgação da ata do Federal Reserve , Banco Central americano, nesta quarta-feira, para entender os motivos que levaram os dirigentes do banco a anteciparem a alta de juros na economia do país.

Às 14h00, o Ibovespa cai 1,44%, aos 125.088 pontos. No mesmo horário, o dólar sobe 1,95%, a R$ 5,187. Na máxima do dia, a moeda atingiu R$ 5,205.

No exterior, destaque para o preço das commodities, em especial do petróleo . Com o impasse entre os países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep +) sobre o aumento da produção, o preço da commodity chegou a subir no exterior.

O petróleo do tipo WTI chegou a ser negociado no maior valor desde 2014 e o do tipo Brent exibia a maior alta desde outubro de 2018.

Mas o movimento perdeu força. Por volta de 12h15, no horário de Brasília, os contratos do petróleo tipo WTI para agosto tinham baixa de 1,49%, com cotação de US$74,04, o barril.

Já os do tipo Brent para setembro cediam 2,59%, negociados a US$75,16, o barril.

O avanço da cotação pode elevar os temores de uma pressão inflacionária pelo mundo. Nesta semana, ainda é divulgado o IPCA do mês de junho por aqui.

Ações

Em um ambiente de mercado mais negativo, os papéis ordinários da Petrobras (PETR3, com direito a voto) cediam 1,89% e os preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 2,18%.

Você viu?

As ordinárias da Vale (VALE3) subiam 0,42%.

No setor financeiro, ocorria mais um dia de perdas. As preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) cediam 0,37% e 0,84%, respectivamente. As ordinárias do Banco do Brasil (BBAS3) tinham queda de 1,03%.

“Antecipamos uma nova abertura de viés neutro/negativo para ativos de risco locais, que devem seguir sem força pela manutenção de um ambiente político desfavorável, apesar do impulso contínuo das commodities”, escreveram analistas da Guide Investimentos, em nota matinal.

Bolsas no exterior

Após um dia sem funcionar, devido ao feriado do Dia da Independência, as bolsas americanas apresentavam perdas. Por volta de 12h55, no horário de Brasília, o índice Dow Jones cedia 0,99% e o S&P, 0,55%. A Bolsa de Nasdaq tinha queda de 0,18%.

Entre os destaques negativos, estava a ação da Didi Chuxing, operadora do aplicativo 99, que caia mais de 22% na Bolsa de Nova York. Isso porque a agência que regula a internet na China determinou o bloqueio do acesso de novos usuários ao aplicativo, enquanto uma investigação de cibersegurança na empresa era realizada.

Por volta de 13h05 , em Brasília, a queda era de 20,78%.

A Amazon, por sua vez, tinha forte alta, com avanço de 6,12%. Hoje é o primeiro pregão após a mudança no comando da empresa, com a saída de Jeff Bezos.

Na Europa, as bolsas fecharam em queda. A Bolsa de Londres cedeu 0,98%. Em Frankfurt e Paris, as quedas foram de 1,04% e 1,13%, respectivamente.

As bolsas asiáticas fecharam com sinais contrários. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 0,28%. Em Hong Kong e na China, as quedas foram de 0,25% e 0,05%, respectivamente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários