Sírio-Libanês
Reprodução/Twitter
Sírio-Libanês

Francisco Maximiano , empresário da Precisa , empresa acusada de usar escritório de fachada na compra da Covaxin , foi processado pelo hospital Sírio-Libanês após sair de internação e deixar um débito de R$ 90 mil . Segundo a Veja, ele foi internado em 2019, mas diz ser vítima de “excesso de cobrança”.

Na ação, movida contra ele no início de maio, o hospital diz que o empresário chegou a desembolsar 20.000 reais pela internação, mas deixou 51.204 reais a pagar. 

A Covaxin foi a vacina mais cara comprada pelo governo brasileiro, com preço unitário de R$ 80,70. As negociações apresentam diversas movimentações atípicas quando comparadas às que Planalto teve com outras farmacêuticas. A aquisição do imunizante foi a única a contar com uma empresa intermediadora, a Precisa Medicamentos, que participou de diversas comitivas à Índia para tratar da importação do produto junto da embaixada brasileira em Nova Déli. Veja  aqui o cronograma de compras deste imunizante.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários