Cade vai reabrir análise de compra da Garoto pela Nestlé
Divulgação
Cade vai reabrir análise de compra da Garoto pela Nestlé

Após quase 20 anos da compra da Garoto pela Nestlé , o ex-presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) , Alexandre Barreto , utilizou seus últimos dias no cargo para reabrir a análise da operação efetuada em 2002 .

A história do processo é repleta de disputas judiciais entre a Nestlé e o Cade que podem ter um fim com a reabertura do processo. Na decisão, Barreto considerou que aguardar a decisão final da justiça sobre o tema não atendia ao interesse público.

“Considerando então a determinação vigente do TRF-1, bem como a pequena probabilidade de reversão dessa decisão judicial, a probabilidade de o litígio judicial durar um longo tempo, os prejuízos público e privado decorrentes dessa demora, e a possibilidade de as condições do mercado terem se alterado significativamente, entendo que é necessária alguma solução por parte do Tribunal do Cade.

A decisão de Barreto foi tomada na tarde de sexta-feira, logo antes do fim de seu mandato na segunda-feira desta semana, dia 21.

O processo

Tudo começou em 2002 quando a compra da Garoto pela Nestlé foi anunciada por, na época, US$ 566 milhões.

Como eram concorrentes no mercado de chocolates, o Cade passou a analisar a operação. Dois anos depois, o órgão decidiu vetar a compra por considerar que a junção entre as empresas criava um alto nível de concentração com efeitos negativos para o mercado.

Na época, a legislação determinava que as compras e fusões fossem analisadas posteriormente e não antes do processo, como atualmente.

A Nestlé chegou a recorrer, mas teve o pedido negado pelo Cade. Então, em 2005, a empresa entrou na Justiça Federal contra a decisão do órgão e obteve um resultado favorável dois anos depois, em 2007.

O Cade levou o processo para a segunda instância, mas não conseguiu reverter a decisão totalmente. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) determinou, em 2009, que o caso fosse reanalisado pelo tribunal do órgão.

A empresa de chocolates novamente questionou a decisão, mas não teve sucesso. O último recurso foi negado em abril deste ano. Nessa situação, Barreto decidiu seguir a determinação da Justiça e reabrir o caso.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários