FMI aponta aumento da desigualdade na América Latina
Daniel Marenco/Agência O Globo
FMI aponta aumento da desigualdade na América Latina

O diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) que cuida de assuntos sobre América Latina pediu aos governos que façam os ricos pagarem "muito mais" em impostos , afirmando que a região mais desigual do mundo não se desenvolverá a menos que atenda às demandas por um sistema econômico mais justo.

Em uma entrevista ao jornal britânico Financial Times (FT), Alejandro Werner, diretor do fundo para o hemisfério ocidental, disse que a recente agitação social na América Latina destacou a necessidade de uma distribuição de renda muito mais igualitária .

O FMI já havia defendido que pessoas de alta renda em todo o mundo, que prosperaram por causa da pandemia, pagassem mais impostos temporariamente para ajudar os mais atingidos. A América Latina sofreu mais do que qualquer outra região, pois o coronavírus exacerbou os problemas de longo prazo de baixo crescimento, alta desigualdade e pobreza .

Werner destacou impostos sobre a propriedade “subutilizados” como um bom ponto de partida para a América Latina.

"Você precisa ter um sistema de tributação muito mais progressivo, em que os segmentos mais ricos da população paguem muito mais (impostos). Então, é preciso ter um sistema econômico no qual a competição econômica seja muito mais forte do que é hoje", disse ao FT.

"A América Latina não pode ser a região mais desigual do mundo e saltar para o próximo estágio de desenvolvimento econômico", completou. 

Antes de começar a trabalhar no FMI em 2013, Werner foi um alto funcionário do Ministério das Finanças mexicano. Ele se aposentará do Fundo no final de agosto.

Recuperação

Os efeitos colaterais do estímulo dos EUA, o forte crescimento na China e os altos preços globais das commodities ajudaram a região a ter uma recuperação mais rápida do que o esperado após a queda de 7% do PIB no ano passado. Isso fez com que o FMI fosse mais otimista quanto suas expectativas para a região.

Você viu?

Werner disse ao FT que a previsão atual do FMI de crescimento de 4,6% na América Latina este ano, provavelmente, será revisada para cima. Em parte, isso ocorre porque as economias foram capazes de manter a atividade em um nível mais alto do que o esperado, apesar do avanço da pandemia.

"A correlação entre a atividade econômica e a taxa de contágio é muito mais fraca agora do que no [segundo trimestre] do ano passado", disse ele ao jornal.

Demanda por distribuição

A política da região tem sido turbulenta nos últimos anos, com ondas de protestos de rua sacudindo o Chile e o Equador em 2019. Eles se espalharam pelo Peru e, mais recentemente, pela Colômbia, polarizando a política e fortalecendo a mão de candidatos estranhos dos extremos da esquerda e da direita nas eleições.

No Peru, Pedro Castillo, candidato de um partido político marxista-leninista, venceu as eleições presidenciais neste mês, embora sua oponente, a conservadora Keiko Fujimori, tenha contestado sua vitória com alegações de fraude eleitoral.

"As oscilações que vemos nas escolhas políticas da população refletem que há uma demanda muito forte por uma distribuição de renda muito melhor", disse Werner ao FT.

Werner afirmou ao jornal que mudanças fiscais que aumentam a receita são necessárias para reparar as finanças públicas em toda a região, mas acrescentou que a experiência de Bogotá mostra a necessidade de amplos acordos sobre reformas econômicas que vão além da classe política tradicional.

"O ambiente político é muito difícil para a implementação de reformas e, portanto, os países terão que ser muito cuidadosos ao projetar essas reformas, ao engajar-se com a população em geral e, eventualmente, na geração de consenso porque essas reformas são necessárias", destacou Werner ao FT.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários