Os presidentes do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM - MG) e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP - AL)
Reprodução
Os presidentes do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM - MG) e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP - AL)


O presidente do Senado , Rodrigo Pacheco (DEM-MG), lançou dúvidas nesta segunda-feira sobre o interesse do governo Bolsonaro na realização da reforma administrativa ainda neste ano. Já Arthur Lira (PP-AL), que comanda a Câmara dos Deputados , acredita que a proposta será abraçada pelo Executivo.

"Há o compromisso do Poder Executivo com a reforma administrativa? Esse é um questionamento que nós precisamos fazer e nós precisamos ter clareza nessa discussão junto à Casa Civil, a Secretaria de Governo e a própria Presidência da República, se há uma vontade por parte do governo de que façamos a reforma administrativa num ano pré-eleitoral ou não", afirmou o senador em evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).


Lira diz que há interesse de modernização e “tendência reformadora no Congresso”:

Você viu?

"Ela (reforma administrativa) deixa claro que seus efeitos são de agora em diante para você desenhar um Estado mais moderno, que tenha outra concepção, para que, diferente de você medir o funcionário, você meça o serviço, você meça o que o poder público tem a oferecer, que são os serviços à população", disse o presidente da Câmara.

Aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados na última terça-feira, o texto da reforma administrativa traz ressalvas à extinção de órgãos por decreto e ao acúmulo de funções.

Pacheco disso que é preciso enxugar a máquina pública, mas que os funcionários públicos não são o problema:

"O problema é um problema de produtividade, de estabilidade, de meritocracia, de atrair para o serviço público aqueles que tenham vocação, mas não é culpa dos funcionários públicos", afirmou.

Reforma tributária neste ano

Já em relação à reforma tributária, o parlamentar afirmou que o projeto deve ser analisado passo a passo no Congresso. Segundo ele, é possível aprovar a medida ainda neste ano, seguindo a estratégia de fatiar os projetos, conforme defende o Executivo.

"Acredito que, se começarmos a reforma tributária de maneira seccionada, não abrindo mão de seus preceitos, de dar segurança jurídica, de dar a certeza de que investidor internacional e nacional não terá as demandas que tem hoje, nós iremos entregar uma reforma tributária possível para esse ano", diz Pacheco.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários