A Câmara dos Deputados tem resistências na oposição e na situação contra a reforma administrativa
Reprodução / Agência Câmara
A Câmara dos Deputados tem resistências na oposição e na situação contra a reforma administrativa


Deputados aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), se justaram ao lobby dos servidores públicos e ameaçam adiar a reforma administrativa só para 2023 para evitar desgastes políticos em ano de campanha eleitoral .

As mudanças nas carreiras do funcionalismo público , que são uma das principais promessas do ministro da Economia, Paulo Guedes, desde a campanha de 2018, mais uma vez correm o risco de serem adiadas.

Deputados da bancada da bala , que em sua maioria vieram do funcionalismo público (policiais civis, militares e federais) temem dar andamento à pauta e perder suas bases de apoio.

Você viu?



Também há resistência da oposição.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que também é líder do centrão, tem pressa na tramitação da reforma e prevê a entrega ao Senado em julho.

Um dos compromissos firmados com base, oposição e governo, por exemplo, é a realização de audiências públicas até a sexta-feira (14) na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

"A gente vai tocar porque é pauta do governo. A gente não pode desistir, mas estou fazendo uma avaliação política: acho que fica mais complicado", disse Bia Kicis , presidente da CCJ à Folha de S. Paulo. Para ela, é melhor deixar a tramitação para 2023.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários