Guedes pede que acordos políticos caibam no teto de gastos
Reprodução: ACidade ON
Guedes pede que acordos políticos caibam no teto de gastos

Na primeira manifestação pública desde que o Congresso aprovou um Orçamento considerado inviável por especialistas, o ministro da Economia , Paulo Guedes , fez um apelo nesta terça-feira (30) para que acordos políticos caibam nas regras fiscais do país .

"Esse é o meu pedido de entendimento a todos nós: para que os entendimentos políticos caibam nos orçamentos públicos, para que a gente cumpra o duplo compromisso, com a saúde dos brasileiros e responsabilidade orçamentária" disse Guedes, durante divulgação dos dados sobre mercado de trabalho.

O Orçamento para 2021 foi aprovado na semana passada. O texto incluiu uma manobra fiscal que inflou emendas parlamentares com base em uma estimativa de que gastos obrigatórios, como Previdência, serão menores do que o projetado pelo governo.

Diante do impasse, a equipe econômica tem alertado para o risco de que o governo seja obrigado a fazer um bloqueio bilionário em despesas com custeio e investimento para corrigir o problema. Isso poderia causar a paralisação da máquina pública.

Segundo Guedes, o apelo da equipe econômica leva em consideração a necessidade de mais gastos para combater a pandemia de Covid-19.

"Não quer dizer que tem que ficar estritamente dentro do teto o que for relacionado ao Covid, mas que tem que ser com valor definido, propósito específico e extraordinariamente, não são gastos recorrentes", disse o ministro.

Como mostrou o GLOBO, auxiliares de Guedes apostam em uma solução política para destravar o impasse. A negociação depende de conversas entre o presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).


Considerações finais


O ministro também comemorou os resultados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), com a criação de 401.639 postos de trabalho com carteira assinada no mês de fevereiro.

Ainda assim, ele aponta que os cuidados com a pandemia do novo coranavírus não devem ser negligenciados.

“Temos espaço para atuar diretamente para Covid-19, para saúde ou para os impactos sociais trazidos pela pandemia. Podemos auxiliar desde que definido quanto para cada gasto, sempre com limite definido, sempre dentro das regras do jogo", disse. 


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários