Aeroporto de Buenos Airea
Reprodução/Wikipedia
Aeroporto de Buenos Airea


Nesta quinta-feira (11), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ) aprovou novas regras mais rígidas de uso de máscara em voos nacionais e internacionais que partam ou se destinem ao Brasil. A regra passa a valer a partir de 25 de março, para que as empresas tenham tempo de se adaptar.

A nova diretriz proíbe o uso de alguns tipos de máscara que são ineficazes na contenção do vírus. Veja:

  • máscaras de acrílico ou plástico 
  • máscaras PFF2 ou N95 que contenham válvula 
  • lenços e bandanas 
  • escudos faciais (sem máscara por baixo)
  • máscaras de uma camada só (crochê, tricô etc.)

As máscaras de acrílico ou plástico, assim como os face shields (escudos faciais), são apenas barreiras físicas e não se ajustam ao rosto. Portanto, não impedem que o vírus entre em contato pelas brechas. 

Estudos indicam que o face shield protege menos que máscaras de pano
U.S. Army Air Forces/Erin Baxter
Estudos indicam que o face shield protege menos que máscaras de pano


As máscaras do tipo PFF2, também conhecidas como N95, geralmente são tidas como as mais seguras do mercado. As versões com válvulas, entretanto, podem disseminar o vírus tanto quanto a ausência de qualquer máscara. 

Você viu?

O mesmo vale para os poros do crochê, que também permitem a circulação do vírus e de outros microrganismos.

Máscara N95 e PFF2: por que países da Europa reprovam material caseiro e agora exigem máscara profissional
Laís Alegretti - @laisalegretti - Da BBC News Brasil em Londres
Máscara N95 e PFF2: por que países da Europa reprovam material caseiro e agora exigem máscara profissional


Viajar na pandemia? 


A nota técnica ressalta que estas máscaras cumprem sua finalidade em outros ambientes públicos, mas surtem pouco efeito preventivo em espaços fechados e pouco ventilados como aviões. 

Algumas empresas, como a Azul, já adotavam este tipo de norma antes da publicação da Anvisa. Agora, todas as companhias aéreas devem acatar.

O diretor da Anvisa, Antônio Barra Torres, reforçou que não se deve viajar durante a atual fase da pandemia. Na reunião, membros do conselho da agência frisaram que as pessoas se atenham apenas a viagens que não possam ser adiadas, “a não ser que seja rigorosamente necessária", diz o diretor-presidente da agência. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários