O presidente foi caminhando do Palácio do Planalto até a sede do poder Legislativo. Ele estava acompanhado, entre outras pessoas, dos ministros da Secretaria de Governo, Eduardo Ramos, e das Comunicações, Fábio Faria.
Reprodução/CNN Brasil
O presidente foi caminhando do Palácio do Planalto até a sede do poder Legislativo. Ele estava acompanhado, entre outras pessoas, dos ministros da Secretaria de Governo, Eduardo Ramos, e das Comunicações, Fábio Faria.


Nesta quarta-feira (24), o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) foi à Câmara dos Deputados entregar a proposta de  privatização dos Correios ao presidente da Casa,  Arthur Lira (PP - AL). Bolsonaro foi acompanhado por vários ministros e causou tumulto nas ruas de Brasília. O ministro da economia, Paulo Guedes, chegou atrasado. 

Durante o trajeto pela Praça dos Três Poderes, jornalistas e seguranças amontados. O tumulto causou a quebra de uma porta de vidro na saída do Salão Verde da Câmara. Ninguém se feriu.

Em reunião solene, Guedes pediu agilidade para a aprovação da MP e argumentou os atrasos nas pautas econômicas no ano passado devido à pandemia de Covid-19. Nenhuma autoridade, ao contrário da entrega da MP que prevê a privatização da Eletrobras, concedeu entrevista até o momento. 

Você viu?


Privatização dos Correios 

A iniciativa faz parte do programa de privatizações do Ministério da Economia para arrecadar verba e dar folego aos cofres públicos, que engloba aerportos, portos e estatais. A última investida do Governo Federal, foi a entrega da medida provisória para capitalização da Eletrobras. 

Ao contrário da empresa de energia, o Palácio do Planalto quer transformar a empresa de telégrafos em sociedade mista, ou seja, parte do capital privado. 

"A premissa central do texto é permitir que os serviços postais, inclusive aqueles que atualmente são prestados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) em regime de monopólio, possam ser explorados pela iniciativa privada", afirmou a Secretaria-Geral da Presidência da República. 

A iniciativa ainda precisará do aval do Tribunal de Contas da União (TCU). Ainda está sendo analisada se a participação do capital privado se dará por meio de venda direta ou entrada no mercado de ações. 

Mercado

A privatização dos correios é um aceno ao mercado financeiro, favoráveis a privatização. A expectativa é que a entrada dos Correios na Bolsa de Valores possa aumentar os estimulos dos investidores. 

A entrega presencial da MP é uma tentativa de amenizar os ânimos em meio as ameaças de interferências em estatais. No começo da semana, o índice Ibovespa reagiu mal a troca no comando da Petrobras e a fala de Bolsonaro de que iria "meter a mão na energia".

Após a entrega do projeto de privatização da Eletrobras, a Bolsa regiu e o Palácio do Planalto encontrou na reunião solene da MP dos Correios para sinalizar a "paz" com os investidores. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários