CLP elabora proposta para reduzir custos do auxílio emergencial
Marcello Casal Jr./Agência Brasil
CLP elabora proposta para reduzir custos do auxílio emergencial

O Centro de Liderança Pública (CLP) formatou uma nova proposta para o auxílio emergencial . O centro sugere dois formatos de benefício , de R$ 50, para beneficiários do Bolsa Família , e de R$ 100, para os não contemplados pelo programa. Por mês essa versão do auxílio custaria R$ 8 bilhões, significando uma redução de 65% no valor pago no ano passado. A proposta, no entanto, chegaria a 95 milhões de pessoas

Durante a pandemia de C ovid-19 , o auxílio emergencial foi pago, inicialmente, em parcelas de R$ 600, e de R$ 1,2 mil para famílias comandadas por mães solteiras. Em setembro o benefício passou a ser de R$ 300 e durou até o fim do ano passado. Para este ano o Ministério da Economia e o Legislativo ainda procuram meios de viabilizar a proposta.

Os custos do programa são de aproximadamente R$ 40 bilhões mensais na primeira fase e após a redução das parcelas o valor seria de R$ 20 bilhões. Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que deverá ser votada nesta quinta-feira (25) para um novo marco fiscal, prevê a autorização para recriar o auxílio.

Segundo apuração do Estadão, nos bastidores, a equipe econômica do governo estuda gastar até R$ 40 bilhões com um novo auxílio, trabalhando com a meta de pagar R$ 250 mensais de março a junho. Com a continuidade da pandemia e a demora na vacinação, a necessidade de uma nova etapa de pagamento do auxílio voltou a ganhar força.

"Essa nova proposta tiraria 2,7 milhões de pessoas da pobreza e mais 2,5 milhões de pessoas da extrema pobreza. E cada mês de pagamento do benefício que estamos sugerindo demoraria um ano para ser pago. É bastante tempo, mas não podemos cair na armadilha de fazer um novo programa sem cuidado, que deixaria uma conta impagável para as próximas gerações", disse Luiz Felipe D'Avila ao jornal.  


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários