Brasil Econômico

A ideia é reduzir o valor do benefício para R$ 200
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
A ideia é reduzir o valor do benefício para R$ 200

O governo federal já estuda a nova proposta do auxílio emergencial para os próximos meses. De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, serão três parcelas de R$ 200, com foco nos trabalhadores informais não atendidos pelo Bolsa Família.

O valor é menor do que os R$ 300 pagos nas últimas três parcelas encerradas em dezembro e do que os R$ 600 pagos no começo da pandemia da Covid-19.

Além da mudança do valor, o programa teria outro nome e novas exigências para o recebimento do benefício. 

Ainda de acordo com o jornal, a proposta passará a ser chamada de "BIP" (Bônus de Inclusão Produtiva) e, para receber o auxílio, a pessoa terá que realizar um curso de qualificação profissional.

Você viu?

A equipe de Guedes também vai propor restringir o pagamento do benefício a cerca de 30 milhões de brasileiros, metade dos 64 milhões que receberam o auxílio nas primeiras rodadas.

A mudança no formato do auxílio reduz os gastos do governo de R$ 50 bilhões mensais gastos com as parcelas de R$ 600 em 2020, para pouco mais de R$ 6 bilhões por mês.

Guedes defende o retorno do auxílio emergencial 

Nesta última quinta-feira (4), o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender a manutenção do auxílio emergencial, porém dessa vez fala em atender apenas a camada "mais vulnerável".

Paulo Guedes declarou: "O auxílio emergencial, se nós dispararmos as cláusulas necessárias, dentro de um ambiente fiscal robusto, já mais focalizado – em vez de 64 milhões, pode ser a metade disso, porque a outra metade retorna para os programas sociais já existentes –, isso nós vamos nos entender rapidamente porque a situação do Brasil exige essa rapidez", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários