Brasil Econômico

null
Reprodução / iG Minas Gerais
undefined


senado federal aprovou nesta quinta-feira (4) uma medida provisória que possibilita a transferência de  recursos elétricos para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) com objetivo de reduzir o valor da conta de luz para os consumidores até 2025.

Se não fosse votada até a próxima terça-feira (9), a medida perderia a validade.

A CDE é abastecida pelos impostos de energia. É uma tarifa usada para, por exemplo, subsidiar descontos na conta de luz de quem faz irrigação ou para consumidores de baixa renda. Também serve para financiar a geração de energia em áreas isoladas.

As empresas de distribuição de energia eram obrigadas a aplicar parte das suas receitas em pesquisa e desenvolvimento do setor. Com a nova MP, parte deste dinheiro pode ser transferido para o CDE.

Com essa nova fonte de recursos no CDE, a expectativa é que os reajustes diminuam. 

Você viu?

Senadores críticos a proposta apontam que, apesar de reduzir a tarifação no consumidor final, a nova medida retira o dinheiro que seria destinado a inovação e pesquisa. 

Defensores da MP, porém, argumenta que a nova medida libera R$ 3,4 bilhões que estão travados nas empresas. Para eles, o aporte para a CDE não prejudica as pesquisas. 


Outros pontos 


A proposta também isenta as empresas de pagar por empréstimos concedidos por outras fornecedoras em determinadas circunstâncias, o que também impactará positivamente nas taxas cobradas aos consumidores dessas companhias.

O dinheiro para pagar essas dívidas virá do Reserva Global de Reversão, que é um encargo pago à União pelas empresas para  financiar projetos de aperfeiçoamento e expansão, em benefício das companhias do setor.

Além disso, O texto impede o aumento de tarifas de consumidores de estados atendidos por distribuidoras que eram da Eletrobras, mas que foram privatizadas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários