Brasil Econômico

João Doria, governador do estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
João Doria, governador do estado de São Paulo

O governo do estado de São Paulo confirmou, nesta sexta-feira (22), que a maior parte do estado será colocado novamente na fase vermelha do Plano São Paulo, que tem por objetivo controlar a circulação de pessoas durante a pandemia de Covid-19. Com a regressão de fase, apenas serviços essenciais serão autorizados a funcionar aos sábados, domingos e feriados e no período noturno nos dias úteis, das 20h às 6h. As medidas já começam a valer a partir da próxima segunda-feira (25).

"Essas são as medidas necessárias para reforçar o sistema de saúde e garantir o atendimento a todos", afirmou o governador João Doria (PSDB). 

Veja como ficou:

Plano SP de 22/01/21
Governo de SP
Plano SP de 22/01/21

As regiões de Franca, Barretos, Presidente Prudente, Marília, Bauru, Sorocaba e Taubaté estão agora na fase vermelha, a mais rígida do Plano, em que é permitido apenas o funcionamento das atividades essenciais.

As demais, inclusive a região da Grande São Paulo, estão na fase laranja. Até esta semana, apenas Marília estava na fase mais rígida do plano de flexibilização.

Nenhuma cidade está mais na fase amarela, que compreendia a maior parte do estado no começo deste mês. Com isso, 78% da população do estado está em regiões na fase laranja, enquanto 22%, na fase vermelha. Esta nova classificação vale até o dia 7 de fevereiro, quando o governo estadual vai reavaliar a situação.

Na capital paulista, a medida entra em vigor já no feriado da próxima segunda (25). Para as demais regiões, será feita nos finais de semana dos dias 30 e 31 e 06 e 07 de fevereiro.

Durante o horário da fase vermelha, que vai ser durante os finais de semana e feriados, além dos dias úteis, das 20h às 6h, apenas serviços essenciais como padarias, mercados e farmácias, podem operar. Bares, restaurantes e comércio  não poderão funcionar.

Vale lembrar que, mesmo as regiões que estão na fase laranja, como é o caso da Grande São Paulo, tem que respeitar a fase vermelha nos horários citados acima estabelecidos pelo governo do estado. 

"A partir de agora, as pessoas já devem ter a preocupação de reduzir ao máximo tudo aquilo que pode aumentar a transmissibilidade da doença. Não fiquem esperando decreto. Não fiquem esperando as ordens do governo", disse João Gabbardo, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 no estado.

Protestos 

Protesto em SP nesta sexta-feira (22)
Reprodução
Protesto em SP nesta sexta-feira (22)

Antes do anúncio oficial, donos de bares e restaurantes realizam um protesto contra o fechamento dos estabelecimentos comerciais aos finais de semana, feriados e a partir das 20h nos dias úteis. O protesto começou por volta das 9h, no Morumbi, na Zona Sul da capital paulista.

O protesto foi organizado pelo setor de bares e restaurantes, que alega a dificuldade de manter os empregos durante a pandemia e o prejuízo com o descarte de alimentos perdidos.

Você viu?

Essas medidas mais restritivas de isolamento social foram anunciadas após a alta de casos da doença no estado e aumento no número de internações.

"Entendemos a dificuldade dos setores,  que terão, mais uma vez, interrupção nas suas atividades, mas é uma escolha. Vamos reduzir o número de óbitos, salvar vidas, ou vamos deixar seleção natural? Deixar que a natureza escolha quem deve continuar e quem não deve?", afirmou Gabbardo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários