Donald Trump
Reprodução/ iG Minas Gerais
Presidente americano, Donald Trump

O ataque-surpresa do presidente Donald Trump na terça-feira ao novo pacote de alívio ao coronavírus do Congresso pôs a ajuda para milhões de americanos em risco, enquanto a pandemia continua a assolar o país.

O presidente americano se recusou a assinar o pacote e considerou a conta final de US $ 2,3 trilhões uma “desgraça”. A acusação veio menos de 24 horas depois que o Congresso aprovou a legislação com votos esmagadoramente bipartidários. Trump exigiu pagamentos diretos maiores para indivíduos e pediu a eliminação de “itens inúteis e desnecessários”, mas não disse se iria vetar o programa.

As demandas de última hora de Trump, no entanto, enviaram ondas de choque a Washington. Além de US$ 900 bilhões em medidas relacionadas à pandemia, o pacote inclui US $ 1,4 trilhão para financiar as operações do governo até setembro próximo. Se o presidente não assinar a legislação até 28 de dezembro, o financiamento do governo expirará depois da meia-noite desse dia, provocando uma paralisação parcial.

A angústia com a atitude de Trump pode ser mais profunda entre os companheiros republicanos do presidente, que preferiam um pacote de ajuda à pandemia mais próximo de US$ 500 bilhões . Eles concordaram com um esforço de US$ 900 bilhões no final, pressionados pelos custos políticos de segurar o pacote de ajuda poucas semanas antes de um segundo turno crucial para as duas cadeiras do Senado da Geórgia , que determinará o controle dessa câmara.

Em outras palavras, um veto colocaria os colegas republicanos de Trump em uma posição bem embaraçosa. Muitos deles se opuseram aos pagamentos de US$ 2 mil que Trump agora exige por serem muito caros, e eles teriam que desafiar o líder de seu partido ou mudar sua posição sobre esses pagamentos.

A presidente da Câmara , a democrata Nancy Pelosi, logo aproveitou o pedido de Trump de US$ 2 mil em pagamentos de estímulo individual — bem acima dos US$ 600 incluídos no projeto de lei de alívio — e disse que a Câmara tentaria aprovar esta medida adicional durante uma sessão pró-forma hoje, uma medida que poderia ser bloqueada por um único membro do Congresso.

Esse projeto seria uma medida autônoma para eliminar todas as referências a US$ 600 na legislação atual, que seriam substituídos por US$ 2 mil, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o plano. O líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, disse ser a favor da ideia e desafiou o líder da maioria Mitch McConnell a concordar.

Aumentar os valores dos pagamentos diretos para US$ 2 mil aumentaria o custo desta provisão para mais de US$ 500 bilhões, um aumento significativo em relação aos mais de US $ 160 bilhões que o Comitê Conjunto de Tributação projetou para os atuais pagamentos de US$ 600 para a maioria dos americanos.

O acordo de socorro para a crise da Covid-19 levou mais de seis meses para ser firmado e só foi selado após um fim de semana frenético de negociações entre líderes. O senador Lindsey Graham, da Carolina do Sul, um dos principais aliados de Trump, instou-o a assinar o projeto de lei existente para garantir alívio para famílias e empresas em dificuldades.

Os casos de vírus continuam a aumentar nos EUA: são mais de 18 milhões de pessoas foram infectadas e mais de 322 mil mortos. E o crescimento do emprego diminuiu, o que aumentou o senso de urgência no Capitólio.

Queda na renda

Dados econômicos divulgados ontem mostraram o impacto da retirada do apoio fiscal do primeiro pacote, o Cares Act, promulgado em março. A renda pessoal dos americanos caiu 1,1% em novembro em relação ao mês anterior, após queda de 0,6% em outubro. Os gastos também caíram em novembro, e os economistas alertaram que números piores podem vir este mês.

Se Trump vetar ou se recusar a assinar a medida, ele suspenderia os benefícios do projeto de lei de alívio Covid-19 anterior, que expira no final do mês, incluindo uma moratória sobre despejos e seguros-desemprego estendidos para aqueles que perderam seus empregos durante a pandemia — temas devidamente tratados no pacote gigante aprovado na noite de segunda-feira.

Isso também significaria que os cheques de estímulo não sairiam dias após o Natal, como os próprios assessores de Trump haviam prometido, as empresas não receberiam acesso a empréstimos adicionais e nenhum novo financiamento para distribuição de vacinas, escolas e companhias aéreas seria implantado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários