Inflação
Pixabay
Prévia da inflação atinge 4,23%

O último IPCA-15 do ano ficou em 1,06% em dezembro, segundo dados do IBGE  divulgados nesta terça-feira (22). O índice, que é a prévia da inflação oficial, medida pelo IPCA, fechou o ano em 4,23%. É o maior acumulado no ano desde 2016 (6,58%). 

O índice no ano ainda está dentro do centro da meta, de 4% , com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, o que significa que pode ficar entre 2,5% e 5,5%.

O resultado de hoje ficou ligeiramente abaixo da expectativa da pesquisa da Reuters com economistas no mercado, de 1,17% no mês.

A alta foi puxada principalmente pelo grupo Alimentação e bebidas , que encerra o ano com 14,36%.

O consumo em domicílio é o que mais pesou, especialmente em itens como carnes, arroz, frutas. O óleo de soja e a batata-inglesa subiram também, porém, desaceleraram em comparação com novembro.

Foram registradas quedas em itens como tomate, alho e leite longa vida.

Os outros grupos que puxaram a variação de hoje foram de Habitação (1,5%) , Transportes (1,43%) e Educação . Além de alimentos, Transportes também impulsionou as altas de outubro, com as passagens aéreas, e novembro, com os combustíveis.

A alta na energia elétrica (4,08%) , que voltou à bandeira vermelha patamar 2 depois de 10 meses sem cobrança adicional na conta de luz, teve o maior peso no grupo Habitação.

O único grupo que teve queda de novembro para dezembro foi vestuário , de 0,44%.

Durante o ano, o IPCA-15 foi fortemente puxado pela alta nos preços dos alimentos e bebidas. Isso aconteceu porque alguns produtos, como soja e milho, que são negociados em dólar, tiveram alta de preço e ficaram mais atrativos para exportações, levando a um desabastecimento no mercado interno no momento em que a demanda aumentava.

Com pouca oferta e grande procura, já que as pessoas estavam mais em casa e contavam com o auxílio emergencial, os preços subiram, pesando sobre a inflação mês a mês. No caso da soja, afetou não apenas o óleo de cozinha, mas o preço das carnes e do leite, uma vez que o grão também é usado como ração.

Apesar do grupo alimentação ainda pesar na prévia da inflação, analistas do mercado acreditam que vai desacelerar e outros itens começarão a ganhar relevância a partir de janeiro, como conta de luz, planos de saúde, tarifas de ônibus, entre outros.

Na semana passada, o Banco Central já havia dito que esperava que a inflação continuasse elevada em dezembro, impulsionadas pelos preços de mensalidades escolares e a bandeira vermelha nas contas de luz.

Os preços para o IPCA-15 foram coletados do dia 13 de novembro a 11 de dezembro e comparados com 14 de outubro a 12 de novembro de 2020. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as principais regiões metropolitanas.

Todas as regiões pesquisadas tiveram alta, sendo que o maior resultado foi em Porto Alegre , por causa das altas em energia elétrica (6,05%) e carnes (6,89%). Já a menor variação foi em Brasília (0,65%), principalmente em função da queda de 0,62% nos preços da gasolina.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários