Brasil Econômico

Dívida
Reprodução
Dívidas com cartão de crédito e cheque especial devem ser quitadas primeiro, aponta economista

Com o aumento de casos da Covid-19 no país, uma das preocupações da população é com o desemprego e a crise econômica, gerando mais dívidas.

De acordo com o Serasa Experian, 64 milhões de brasileiros estão inadimplentes, sendo a maioria na capital paulista (4,2 milhões) . Por isso, o pagamento do 13° salário deve aliviar a situação econômica dos brasileiros.

O economista Pedro Henrique Nascimento, aconselha dar preferência para dívidas mais baixas e negociar as mais altas.

"Dar preferência em quitar as dívidas do cartão de crédito e cheque especial, mesmo que precise de um empréstimo para isso, aproveitando a queda dos juros", afirma.

Em meio a pandemia, um conselho importante do especialista é procurar outra fonte de renda , mesmo que autônomo, para guardar dinheiro e deixar a lista de endividados.

“Ou você diminui os gastos ou passe a ganhar mais. Acho que a pessoa deve conhecer seus gastos e até procurar alguma outra fonte de renda. Estipular metas também ajuda a reduzir o índice de problemas financeiros”, lembra Nascimento.

Dicas para sair do vermelho

  1.  Conhecer bem o orçamento;
  2.  Estipular metas e cumpri-las;
  3.  Jamais entrar no rotativo do cartão de crédito ou cheque especial;
  4.  Realizar apenas compras necessárias;
  5.  Conseguir outra fonte de renda

A expectativa do especialista é que a situação melhore no próximo ano, mas lembra as estatísticas vão depender do avanço da Covid-19 no Brasil.

"A retomada econômica vai depender muito da vacina. Não creio que iremos nos recuperar antes disso. Com o fim do auxílio emergencial, vamos pegar uma economia que ainda não se recuperou e um aumento no índice de desemprego", alerta.

Dívidas de empresas

Não foi só a população que foi vítima da crise financeira, causada pela pandemia do novo coronavírus. As empresas também foram protagonistas no quesito inadimplência em 2020.

Em levantamento feito pelo Sebrae , em parceria com a Fundação Getúlio Vargas , o faturamento das pequenas empresas caiu 39% neste ano, em quanto dos microempreendedores individuais (MEI) apresentou queda de 24%, acarretando problemas financeiros.

Para o CEO da Donus, Mauro Bizzato, a crise afetou setores que mais geravam empregos e a recuperação deve acontecer após adesão da população as compras .

"Tentar negociar os empréstimos ou até tentar uma linha de crédito para quitar os débitos, trabalhar com estoque reduzido e readequar o quadro de funcionários", lembra.

5 dicas para as empresas quitarem as dívidas

  1.  Controle de gastos;
  2.  Renegociar preços com fornecedores e industrias;
  3.  Planeje o futuro;
  4.  Estipule prazos e metas;
  5.  Receba pagamentos com maquininha

O empresário ressalta a potência de recuperação da economia e lembra da importância de manter o giro de capital em dia.

"Vejo uma retomada gradual para o ano que vem. Acho que as empresas devem manter o fluxo de caixa em dia e buscar alternativas para vender, como o e-commerce", conclui Bizzato. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários