No início de 2020, quase todos os investidores do mundo foram apanhados de
surpresa quando as bolsas de valores caíram a uma velocidade recorde,
durante um pânico no mercado que não era visto desde a recessão financeira
de 2008. No atual contexto global, quais são os fatores que podem prever uma
queda iminente do mercado de ações?

mercado de ações
shutterstock
Queda do mercado de ações em 2020: o que esperar?

Definição de crash da bolsa de valores

O que é um Crash da Bolsa? Qual é a definição da queda do mercado de ações ?

A queda do mercado de ações significa que existe uma queda súbita e a nível global, nos preços das ações. Este acontecimento segue um fator de gatilho e acontece geralmente após um período de fraqueza.

Esse fator faz disparar o alarme nos mercados financeiros, criando o pânico que irá resultar no início de uma crise na Bolsa de Valores. No mercado de ações, a queda acentuada dos preços irá levar a mais quedas, causando um crash.

Rumo a um novo crash em 2020?

Segundo vários analistas, o risco de uma nova queda do mercado de ações em
2020 é bastante significativo, tendo em conta a situação atual e as perspetivas
futuras. Um crash do mercado de ações pode estar iminente. Um crash da
bolsa de valores ainda mais grave do que o último em fevereiro está a
preparar-se.

Forte impacto do coronavírus na economia pode durar

Para lidar com os riscos à saúde devido ao Covid-19, várias economias do
mundo quase encerraram todas as suas atividades, confinando milhões de
pessoas nas suas casas, na Ásia, na Europa e depois nos Estados Unidos. O
vírus e as medidas tomadas para conter sua disseminação destruíram milhões
de empregos em todo o mundo.

Como a pandemia foi controlada, os países começaram a reabrir as suas
economias e retomaram a atividade, mas a um ritmo gradual. Os dados
econômicos começaram a se recuperar, mas a partir de bases muito fracas, a
maioria das estatísticas alcançaram níveis historicamente baixos.

Apesar da recuperação, prevê-se que a economia mundial não retornará ao
seu estado antes da crise até pelo menos 2022. O próprio presidente do Federal Reserve (Banco Central dos EUA), Jerome Powell, partilha essa opinião.

Enquanto isso, as empresas podem continuar a falir e os empregos podem ser cortadospara economizar dinheiro após um longo período de inatividade que coloca muitas empresas em risco.

Segunda onda de coronavírus pode causar um novo crash

Existe o risco de uma segunda onda de coronavírus, o que seria muito
destrutivo para a economia global. De facto, o coronavírus reapareceu em
Junho com um número crescente de casos na China, enquanto que nos
Estados Unidos, vários estados ainda registam aumentos diários de infecções.
Mesmo na Alemanha, um dos melhores países do mundo, o número de novos
casos está a aumentar novamente.

Territórios ainda pouco afetados até agora, como na América do Sul, também
estão a ter um forte aumento na pandemia. A reabertura das fronteiras em
vários países traz o risco de retorno da pandemia.

A Organização Mundial da Saúde relatou um aumento recorde de casos de
coronavírus em todo o mundo a 21 de junho, com 183.020 novos casos em
apenas 24 horas, incluindo aproximadamente 54.000 no Brasil e mais de
30.000 nos Estados Unidos.

Quando será o próximo crash do mercado de ações?

O próximo colapso do mercado de ações pode ocorrer já nos próximos meses,
se o coronavírus continuar a espalhar-se durante o verão no hemisfério norte e inverno brasileiro, sendo que as empresas ainda acham difícil voltar à atividade normal. De fato, após o primeiro crash da bolsa em fevereiro e março de 2020, os mercados recuperaram-se fortemente entre abril e junho.

No entanto, à medida que o coronavírus retorna, os dados econômicos
permanecem geralmente lentos, apesar das significativas recuperações de
níveis muito baixos. Depois de um verão que pode ser agitado no mercado de
ações, de acordo com os dados do coronavírus e dos dados econômicos, o
teste real será na ocasião do retorno às aulas.

De fato, após uma temporada de verão que pode "mascarar" a realidade
econômica, o retorno da atividade "normal" mostrará se a economia mundial é capaz de continuar genuinamente a sua recuperação ou não.

Se os investidores perceberem que o aparato econômico ainda está em baixa,
poderá ocorrer uma nova quebra do mercado de ações . Além disso, a
abordagem das eleições americanas pode também desempenhar um papel
importante nesse declínio.

    Leia tudo sobre: Bovespa

    Veja Também

      Mostrar mais