remédios farmácia
shutterstock
Governo federal liberou reajuste de até 5,21% para remédios vendidos em farmácias

O governo federal autorizou, na noite desta segunda-feira (1º), um reajuste anual máximo de 5,21% nos preços dos medicamentos. A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União , dois meses após o presidente Jair Bolsonaro suspender a aplicação do aumento — que deveria entrar em vigor em 1º de abril de 2020 —, em razão da pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Segundo a publicação, a correção pode ser aplicada desde 31 de maio.

Leia também: Governo institui medida de acesso a crédito para pequenas e médias empresas

Com o reajuste autorizado, pode entrar em vigor uma nova tabela de preços máximos para os medicamentos de uso contínuo ou usados no tratamento de doenças graves usada pelas farmácias. Este ano, foram estipuladas três faixas de reajuste, de acordo com os níveis de concentração de genéricos (concorrentes desses remédios) no mercado. Os aumentos, portanto, serão de 5,21%, 4,22% e 3,23% (confira abaixo).

O reajuste é definido anualmente pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), vinculada à Anvisa , até o fim de março. Este ano, no entanto, o governo e a indústria farmacêutica decidiram adiar por 60 dias a aplicação do reajuste, em função da pandemia. Para isso, foi editada a Medida Provisória (MP) 933/2020.

Aumento maior este ano

O reajuste deste ano é superior ao aplicado em 2019, quando o índice ficou em 4,33%. Vale destacar que, no ano passado, a CMED não concedeu três faixas diferentes de aumento. Adotou apenas uma correção linear, ou seja, um percentual único para as três faixas.

Também é superior ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo IBGE, que ficou em 4,01% no acumulado de março de 2019 a fevereiro de 2020.

O aumento deste ano ainda é maior do que o de 2018, quando os índices de reajuste dos medicamentos variaram de 2,09% a 2,84% (foram concedidas três faixas de correção naquele ano).

Os componentes da fórmula de cálculo do reajuste anual, segundo a CMED, são o impacto da energia elétrica, as oscilações do câmbio e a inflação do período.

Quais são os medicamentos

Entram na lista de medicamentos com reajuste controlado pela Cmed antibióticos, anti-inflamatórios, diuréticos, vasodilatadores e ansiolíticos (usados no tratamento de depressão e ansiedade). Os fitoterápicos e homeopáticos, por sua vez, têm preços liberados.

Os medicamentos estão classificados em três faixas:

  • Na faixa 1, estão aqueles medicamentos para os seus concorrentes genéricos têm participação em faturamento igual ou superior a 20%. Exemplos: omeprazol (gastrite e úlcera) e amoxicilina (antibiótico para infecções urinárias e respiratórias). Neste caso, como a concorrência é alta, o aumento será de até 5,21%;
  • Na faixa 2, situam-se aqueles remédios cujos concorrentes genéricos têm de 15% a 20% do mercado. Exemplos: lidocaína (anestésico local) e nistatina (antifúngico). O aumento autorizado nesta faixa será de até 4,22%; e
  • Na faixa 3, encontram-se aqueles cujos concorrentes genéricos respondem por menos de 15% do mercado. Exemplos: ritalina (tratamento do déficit de atenção e hiperatividade) e stelara (psoríase). Neste caso, como o mercado é mais concentrado, a correção será de até 3,23%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários